28 de dezembro de 2012

As Balzacas e Lolitas de hoje....














Numa conta simples.
Cruzando a expectativa de vida.
De hoje e do Século XIX.
As balzacas atuais.
Teriam de 45 a 50 anos!
Por isso continuam irresistíveis:
Michelle  Pfeiffer , Monica Bellucci.
Catherine Zeta-Jones, Isabelle Adjani.
Luíza Brunet, Paula Toller.
Claudia Raia e Soledad Villamil.
E a mulherada na faixa dos 30.
Dos tempos atuais?
Ora, seriam adoráveis Lolitas!

Jan 2012

27 de dezembro de 2012

Sobre medo de avião.....

Tenho um ditado infalível:
Na repetição dominamos o medo!
Viajo tantas vezes de avião.
Que tenho ZERO de medo!
Virou atividade básica.
Como lavar pratos, ligar o chuveiro.
Vestir as meias ou por gelo no copo!
Mas outro dia vi uma cena curiosa.
A meu lado, um judeu ortodoxo.
Todo caracterizado.
E, pra minha surpresa: totalmente apavorado!
A cada solavanco ele agonizava.
E olhava para mim, suplicando conforto.
Diante da minha absoluta calma!
Por horas, pensei em tripudiar:
"O não religioso aqui sou eu!
Você com seu deus deveria estar bem calminho".
Mas minha maldade não durou 15 segundos.
Logo expliquei que eram movimentos normais.
Que já tinha passado por isso muitas vezes.
O que, evidentemente, funcionou!
No curso da viagem.
Ele comeu 5 sacos de amendoim.
E caiu em sono profundo!

fev 2012

O choro masculino...

Nós, homens.
Deveríamos registrar com entusiamo.
Quando choramos!
São momentos raros.
Visitas raras e profundas.
A zonas mais nobres da alma!
Nós, homens.
Poderíamos reparar.
Que mulheres choram "orgânicamente".
Aliás, são seus hormônios que choram.
E elas perdem nesse aspecto.
O que é uma baita desvantagem!
Nós, homens.
Preferimos chorar escondidos.
Envergonhados, fechados.
Egoístas de nossa comoção!
No fundo, no fundo.
Todo choro masculino,
É um triunfo pessoal.
Comemorado na solidão!

fev 2012

21 de dezembro de 2012

Auto-promoções 10...

Legal, legal.
E a Dilma tava !

10 de dezembro de 2012

A quase não-vida....

Ter personalidade hoje.
Não é produtivo!
A onda "up to date".
É demonstrar leveza.
E flexibilidade a adaptações!
Ao invés de lapidar uma persona.
Viramos um estilo de vida:
A praia que frequentamos.
O destino das férias.
O livro que carregamos.
A iguaria que provamos.
E o mega-show que iremos!
Todos nossos melhores predicados.
Colorem fotos e frases.
De páginas do Facebook!
E seguimos assim:
Cheios de esboços.
Mas sem "sermos" de fato.
Viva a pós-modernidade!

6 de dezembro de 2012

Fontes de sofrimento...














O sofrimento humano.
Deriva de três fontes:
O "azar do acaso".
As doenças, inevitáveis.
E o relacionamento humano!
A primeira, nada se faz.
A segunda, protela-se.
E a terceira, a mais doída.
É totalmente voluntária.
E poucos sacam isso!

27 de novembro de 2012

Sobre tardes de tédio......

Conclusão do dia:
Talvez seja necessário.
Recuperar na lembrança.
As tardes de tédio da infância!
Pra entender nosso psiquismo.
Confrontado, em comparações.
Do ócio do estado de estar.
Entregue a si mesmo.
A total nulidade criativa.
De viver em agendas lotadas!

14 de novembro de 2012

Força e fraqueza no bicho-homem....

Sabemos bem.
Que no bicho-homem.
Faz morada o belo.
Mas o sinuoso também!
Da mesma forma.
A força (vitalidade).
E a fraqueza (falta de ímpeto).
Como ensinou o titio Nietzsche!
Aliás, importante notar.
Que a força é mais perigosa.
Te coloca para empreender.
Testar, mudar e, sobretudo.
Arriscar!
A fraqueza é cômoda.
Arriscamos muito pouco.
Tocamos a "bola de lado".
E ficamos com o prêmio narcísico.
De enxergamos um "bom potencial".
Em nós, pra isso ou pra aquilo.
Mas que nunca é praticado!

11 de novembro de 2012

9 de novembro de 2012

A fraqueza dos ressentidos....

Tá aí um sentimento ruim: o ressentimento.
Porque nele, subliminarmente.
Esconde-se uma dependência.
Ou dos pais, de deus, do estado, etc.  
Explicando melhor:
A revolta é legítima e potente.
É a vitalidade de se contrariar.
De ir a luta, ganhar ou perder!
O ressentido não se vê como derrotado.
E sim como vítima!
E se livra da responsabilidade.
Na cômoda posição de eterno injustiçado.
Que no fundo, no fundo.
É uma narcísica e viciante covardia!

5 de novembro de 2012

Sobre altos e baixos da vida....

Deveria ser obrigatório.
Ver com calma.
Os altos e baixos da vida!
Aliás, obrigatório mesmo.
É não tê-los como pontos finais!
Eventuais derrapadas.
E conquistas pontuais.
Fazem parte da mesma família:
O "meio", o "curso".
O fascinante "indo" da vida!

No fundo é desconexão....












Vira e mexe.
O lado crítico fala mais alto.
E desancamos tudo mesmo!
Esse lance das tecnologias, por exemplo.
Parece um novo crack!
O vício de se conectar a tudo.
E se desconectar de si.
Já que inexistem reflexões!
É tudo muito lúdico:
Milhões de abas e janelas.
Cores, fotos e telas.
Mas o resultante é que.
Mesmo 100% conectados.
Escondemo-nos uns dos outros!
Bauman acertou em cheio:
Nas redes sociais, você se conecta.
E desconecta, com deliciosa facilidade.
E às favas com os vínculos!
(Tão importantes na vida).

24 de outubro de 2012

O patriotismo da Ciência e Cultura....

Quando será que leremos.
Que o “ser humano” Fulano.
Sicrano, Beltrano ou Voltrano.
Inventou a pílula anti-Aids.
Ganhou o Nobel de Medicina.
Atingiu a barreira do som.
Tocou dez instrumentos.
Ou o escambal?
É um tal de americano fez isso.
Indiano criou aquilo.
Italiano, brasiliero, etc, aquiloutro!
Ciência é cultura são bens humanos.
Sem propriedades de países!
E suas evoluções se valeram.
Fundamentalmente.
Do “legado” da humanidade.
Que "todos" construíram!
Nesse sentido.
Qualquer fronteira, demarcação.
É totalmente estúpida!

23 de outubro de 2012

Serenidades....

Temos sonhos idílicos.
De paraísos simples.
Vida brejeira e leve!
Clube da Esquina.
Cenários da terra.
Sol na varanda, roupas no varal.
Vestido de flores, lua de mercúrio.
Notas de frutas, fogo e mel!
Eterno desejo esse:
Pinçar memórias, chão calmo.
Aconchego, panela de barro.
Viola caipira, novos amores.
E o balanço da rede!

18 de outubro de 2012

Quem anda em bando é Macaco....










Acho que foi isso!
O excesso de timidez de garoto.
Gerou essa minha idolatria.
A tipos anti-maioria!
Aí  vem o fascínio a anti-heróis.
A transgressores saudáveis.
A iconoclastas culturais.
E aos que não ligam pra vaias!
O coletivo engolindo o indivíduo.
Sempre me foi sufocante!
Por isso hoje vibrei nas ruas.
Vendo poucas pessoas.
Que furaram, como eu.
O capítulo da novela!
Gente que não vê o jogo da Copa.
Que não terá o IPhone.
Que não ouvi sertanejo.
E que tem mais o que fazer.
Sobretudo pra si mesmo!
Gente fora do seu tempo.
Gente fora de modismos.
Gente que grita..
Na beleza da solidão.
"Que quem anda em bando é macaco"...

13 de outubro de 2012

Sobre o que ser...

Uns gostam de gente.
Outras do falatório.
Outras do "core" familiar.
E outras de lugares!
Eu, desde pequeno, respiro chãos.
Sou, até hoje.
As ruas do meu bairro!
As ruas que sempre fui.
A sensação de vida dos lugares!
De dia, trabalho, sou nulo.
De noite sou eu!
Não há diferença entre mim.
E as ruas que eu amo!
Salvo elas serem lugares.
E eu alma!
O que talvez, seja de pouco valia.
Se o que vale.
É a essência das coisas!

9 de outubro de 2012

Tempo, o grande capital....

Dinheiro é só isso:
Independência!
Tão somente isso.
Mas do seu fetiche à escravidão.
Basta um pulo!
Curioso o pós-Iluminismo:
Dominamos técnicas.
Criamos tecnologias.
E, o mais surpreendente:
Trabalhamos mais!
Aliás, não é bem trabalho.
O trabalho é eterno, e faz bem!
É vender tempo livre.
Trocar tempo disponível.
Por... mais dinheiro!
Haverá o tempo, que compreenderemos.
O grande capital..é o próprio tempo!

5 de outubro de 2012

O poder do óbvio....

E, de repente, enxergou!
O encontro com o óbvio.
É sempre uma experiência.
Vital, plástica e inenarrável!
Por isso tão rara!
Como diria Nélson Rodrigues:
"Só os profetas enxergam o óbvio!".

Sobre bairros de infância.....











Tá lá no "Plano Avenidas".
Do Prestes Maia, anos 30!
Sampa cresce via o Sudoeste:
Centro Velho, Chá, Centro Novo.
Paulista, desce Rebouças, Augusta.
Faria Lima, Nova Faria Lima, Berrini.
E agora a Chácara Santo Antônio!
Eis aí o grande eixo Empresarial.
Uma limitada Sampa!
Enfim, pena de quem vem pra cá.
E fica restrito a esses bairros!
Turistas em geral, novos moradores.
Novos empregados "desse eixo"!
Não conhecem a Móoca, Casa Verde.
Socorro, Penha, Freguesia do Ò.
E tantos outros lugares!
Certamente outra Sampa.
De gente de bairro, de gente de bem!

3 de outubro de 2012

"Envelheçam! Urgente!"

Incrível o sadismo moderno.
Do pavor do envelhecimento!
Como em "Fausto", de Goethe.
Vendemos até a alma.
Pra recuperar a mocidade!
Mas o fato é que, inexoravelmente.
A sabedoria e a decadência física.
Andam em sentidos contrários.
E, sinceramente, sinceramente.
É mais edificante saber mais.
Do que apresentar a plasticidade.
Advinda do excesso de colágeno!
Como diria o Nélson Rodrigues.
Dando um recado aos jovens:
“Envelheçam! Envelheçam! Urgente”.

A bala perdida...

Com a maturidade, aprendemos:
A não ser a bala perdida.
Não ser o multifuncional.
Homo-sapiens da modernidade.
Não ser aquele que ri para o caos.
O super-homem nietzschiano.
O "neo-hippie" de plantão!
A vida é simples.
Bem mais simples.
E é hora de ligamos para nós mesmos.
Dizendo: “Alô, estou aqui...eu mesmo.
Aqui: diante de tudo!”

25 de setembro de 2012

Sobre gostos impopulares...

Todos temos.
Gostos impopulares!
Adoro reafirmar os meus.
Pra não ceder um milímetro:
Não gosto de sertanejo.
Não gosto de "futebol moderno".
Não gosto de novela das oito.
Não gosto do Luciano Huck.
Não gosto de UFC.
Não gosto de Maria Gadú.
Não leio VEJA.
Não gosto de Carnaval de Salvador.
Não gosto de ano-novo em Jurerê.
Não gosto da "caretice responsável".
Dos jovens de hoje.
Não gosto de religiões.
Não acredito em terapia da alma.
Viagem astral, poder da cura dos cristais.
Cabalas, feng shui, vudus, poltergeists.
E óvnis que desenharam campos de trigo.
E odeio gatos!

21 de setembro de 2012

O medo dos outros...

Polêmica por polêmica.
É imaturidade!
Mas medo de uma opinião isolada.
É muito pior!
Relacionar com os outros.
Sempre foi mais importante.
Por isso a opinião do grupo.
Vence a do indivíduo.
E apesar de vincularmos.
Nossas reflexões a nós mesmos.
O fato é que muito do que pensamos.
Vem de outras pessoas!
Por isso quando submetidos.
A mínima pressão social.
Acabamos cedendo.
Com medo de ficarmos sozinhos!
Que é, em grande medida.
Uma baita covardia !

18 de setembro de 2012

E que venham pra cá!













Como é o mundo!
O "rio de pessoas".
Anda desaguando pra cá.
O lugar das oportunidades!
Uma pegunta essencial:
O que seria do Brasil.
Sem a grande onda migratória.
Do Século XIX e XX?
Como fez bem à nossa gente!
Por isso, portas abertas!
Que venham mais e mais.
Haitianos, Bolivianos, Turcos,
Romenos, Americanos, Espanhóis!
O espírito "vira-latas" agradece!

Por uma nova ordem...

Paradoxos à parte.
Sim, a estabilidade é cruel!
O excesso de equilíbrio.
É quase um auto-engano!
Se tudo tão bem.
Tudo fica como está!
E vida sem mudanças.
É a não-vida!
Não somos gerentes eficientes.
De uma natural serenidade.
Somos desiquilíbrios.
Sacudidas na vida.
Ímpetos necessários.
Pra uma nova ordem!

15 de setembro de 2012

A nova Idade Média (sobre religiões e sátiras)...

Tá aí: a prova inequívoca.
Que vivemos a nova Idade Média!
Um filme que satiriza Maomé.
Cristo, Buda, Bagavadguitá.
Torá, Oxum ou Zebedeu.
Deveria ser apenas um filme.
Como qualquer outro!
Até porque, dessacralizações.
São absolutamente necessárias às artes!
Tristes tempos....
É por essas e outras.
Que minha anti-religiosidade.
Dispara às alturas!

11 de setembro de 2012

Sobre formas de se valorizar...

Há formas de se valorizar.
A mais utilizada, sem dúvida.
É aquela "da boca pra fora"!
Floreamos nossas virtudes.
Dissimulamos nossas fraquezas.
E estamos mais preocupados, mesmo.
Pro que os outros pensam!
A menos utilizada, e a ideal:
É aquela que brota de dentro.
Um grito interno, solitário e convicto.
Que realmente somos capazes!
E quando esse chamamento.
Realmente ecoa.
Nada segura o bicho-homem!

9 de setembro de 2012

A morte dos "botecos"...









Os campos de várzea.
Sumiram de Sampa!
Ergueram-se prédios.
E mais prédios.
E agora são os "botecos".
Que ameaçam sumir!
Parêntesis: "botecos", não bares!
Aliás, o que mais se vê.
É essa proliferação de bares.
Cada vez mais impessoais.
Estilizados e "rentáveis"!
Porque "botecos" de fato.
São necessariamente familiares.
Simples e sem frescura!
Aqueles que o garçom é amigo.
Dos papos e fofocas da vida.
E da inocente "pendura"!
É um verdadeiro crime social.
Esse "botecocídio"!

4 de setembro de 2012

Raul, o filme....














Enfim, vi o filme do Raul:
"O início, o fim, e o meio".
E, claro, chorei à beça!
Sou eterno fã de anti-heróis.
Ainda mais os auto-destrutivos!
Mitos são mitos.
E não se conta histórias de mitos.
Mas o filme faz belo esforço.
E o resultado é excelente!
O que menos me agrada.
Na carreira do cantor.
É o lado místico e "obscuro".
Na parceria com Paulo Coelho!
Adoro muito mais a acidez.
Das coisas do cotidiano.
E o deboche genial.
Da "vidinha" que se vive!
Raul, nisso, era imbatível!
Mas o mais tocante.
Foi seu trágico fim.
Ceifado pela doença do alcoolismo!
E incrível a legião de ex-mulheres.
Ainda apaixonadas e saudosas.
Que amaram sua doçura.
E seu enigmático "cheiro de flor".
Mesmo em profunda auto-destruição!
Enfim, um cara e tanto.
Toca Raul!

29 de agosto de 2012

O fim da cultura...

Outro dia ouvi de um amigo.
Que vivemos o esgotamento.
Da produção cultural humana!
Mais o menos assim:
Todas as artes.
Vivem numa saturação criativa.
Que mesmo que venham com novidades.
Nunca superarão o que foi feito!
É de se pensar, é de se pensar.
Ainda mais pelo fato.
De que nunca estivemos.
Num momento tão pobre.
Culturalmente falando!
O que faz como que fiquemos assim:
Dinossauros retrógrados.
Embriagados de clássicos!

28 de agosto de 2012

PIB, um indicador a beira da morte....

Adoro provocar.
Meus amigos economistas!
Mas falar de PIB.
É falar de um índice a beira da morte!
Afinal, despreza uma pancada de coisas:
O esgotamento dos recursos naturais.
Como se distribui riqueza.
Como se alocam os recursos.
E, sobretudo, tem uma contabilidade.
Totalmente sem sentido.
Poe na conta do investimento.
O capital fixo (bens de produção).
E na conta das despesas.
O capital humano (educação).
Tão essencial pra sociedade.
E pra qualidade de vida!
Ou seja.
Diz, mas não diz nada!

26 de agosto de 2012

Os encantos de Goiânia e interior...



Se tem uma cidade média.
Ótima pra se viver no Brasil.
É Goiânia!
Tive a certeza nesse fim de semana.
Custo de vida baixo, alto IDH.
Gastronomia original.
Urbanização privilegiada.
Ruas limpas e bem estruturadas.
Gentileza total nos serviços.
Abundância de áreas verdes.
De bares, e de mulheres lindas!
Um lugar imbatível!
Esse incrível Brasil.
Tão de costas para América Latina.
E viciado em seu litoral.
Deveria valorizar mais seu interior.
Aliás, deveria ser rota turística.
Muito mais explorada!

22 de agosto de 2012

As marcas do tempo......

Hoje, depois de muitos anos.
Voltei ao clube Sírio, em Sampa.
Na avenida Indianópolis!
Há uns 28 anos, e bem garoto.
Estive ali, pra receber um troféu.
De premiação do futebol!
Palestrei hoje, exatamente.
No mesmo salão central.
Para uma grande platéia!
Como o tempo nos muda!
Lembro-me assustado, tímido.
E sufocado pelo gigantismo.
Do fato e do lugar!
Tanto tempo depois.
Não me reconheço!
Há o pragmatismo profissional.
E a naturalidade fria.
Que o mundo adulto nos imprime!
Lembro-me da primeira vez.
Que entrei num estádio.
Que vi um ônibus na ladeira.
Que ouvi os gritos na feira.
Que vi a fila de garotos na escola.
Tudo, incrivelmente.
Tão maior......

14 de agosto de 2012

Manifesto emocional....

Não somos nós.
Enquanto pessoas em vida.
Seres multifacetados.
Jogados em momentos.
De sucessivos desacordos e acordos?
Não há um Fausto.
Que se materializa.
De encantos e surpresas.
Que certos segundos nos trazem.
Seguido das frustrações.
Vindas desses mesmos instantes?
Ah, a vida.....
Diversa e plena.
Bálsamos, perdas, ganhos.
E não obstante:
A quase plenitude!
Qual o mal da não-alegria.
Tê-la emergindo e submergindo.
E aprender com isso?
Por que diabos nosso senso ultra-moderno.
Quer se apropriar tudo?

13 de agosto de 2012

O mais libidinoso dos carnavais....

Cai de cabeça.
Na biografia do Nélson Rodrigues!
Curioso sacar o Rio, e a Zona Norte.
De outros tempos.
Conta que em 1918, a cidade maravilhosa.
Baixou 15 mil mortos.
Em 2 meses de gripe espanhola.
Recorde total no mundo!
E depois foi embora.
Na mesma velocidade!
Por conta disso.
O Carnaval de 1919.
Foi o mais "profano" de todos!
A iminência de morrer.
Que assombrava a população.
Provocou uma "vontade de viver".
Que se traduziu.
No carnaval mais "sem roupa".
E libidinoso que o Rio conhecera!
Daí entender o porquê.
Do "sexo" e "morte".
Serem tão presentes.
Na obra do dramaturgo!

9 de agosto de 2012

Os pais e filhos de hoje...

Bela a coluna de hoje.
Do Contardo Calligaris!
Fala da "epidemia de amor".
Dos pais e filhos de hoje.
Especulando que esse processo.
Gera sublimação e dependência!
Sei não, sei não.
Até porque não tenho filhos.
Mas pelo que observo.
Os pais de hoje.
São mais amigos dos filhos.
Do que propriamente pais.
Os filhos podem tudo!
Sou de um tempo.
Que bastava um olhar bravo do "velho"'.
Pra eu ficar quietinho, quietinho....
Quietinho mesmo!

Língua é cultura....

Enfim, peguei gosto pelo inglês.
Meu software da cuca.
Não leva jeito pra coisa.
Mas até que tô gostando!
Hoje aprendi o verbo "earn".
Que, pelo que entendi.
É "receber", pelo mérito da coisa.
Aqui é tudo "ganha-se".
Ganha-se na loteria.
Ganha-se da Argentina.
Ganha-se o salário.
Ganha-se o presente.
A moral católica em tudo!

7 de agosto de 2012

Sobre formas de permanência...

Fazer um filho, plantar uma árvore, etc.
Materialidades e sonhos.
De nossa sede de permanência!
Escutei de um amigo músico.
Que o influenciei, e bastante.
Ir por esse caminho.
Escutei de uma amiga casada.
Que a influencie, e bastante.
Ir por esse caminho.
Percebi surpreso, e feliz.
Outras formas de permanência!

O tempo das cidades iguais....

Viajando ali e aqui.
Impossível não notar.
A padronização dos lugares!
As cidades do mundo todo.
Dispõem das mesmas coisas:
Marcas mundiais, caixas eletrônicos.
Propagandas, lounges, porcarias musicais.
Jovens alienados, arquiteturas pós-modernas e etc!
Tudo é igual, igual.
Com pequenos nuances de estilo.
E temperos regionais!
É a tal  "homogeinização heterogênea".
Que cravou o mestre Milton Santos.
Eis aí a grande aldeia global.
"Parem o mundo, que quero descer!".

6 de agosto de 2012

Eliminando o verbo ser....

No Tupi, no Japonês.
Não existe o verbo "ser".
Algo inimaginável.
Pro nosso sistema de pensamento!
E mais,  há a lógica do "eu diverso".
Tem o "eu imperador", "eu povo".
"Eu qualquer coisa" e etc.
O que é muito interessante!
Nossa herança grega.
"Tal coisa é tal coisa".
Sujeito, predicado, objeto.
Forneceu o alicerce lógico.
Que culminou na revolução.
Industrial, técnica, filosófica.
Que vimos no Ocidente!
Ou seja, para se entender o Oriente.
Vamos parar com esse negócio.
De praticar Ioga, e abraçar árvores.
A coisa é mais simples:
Eliminem o verbo ser.
De nossas vidas!

Sobre a (não) utilidade do amor...

Curiosos, e também aflitos.
Os esperançosos do amor!
Gente de renovada ingenuidade.
Crendo que o amor resolve tudo!
Como diria o poeta.
Ainda é bem melhor.
“O amor não é uma saída.
É um mergulho!”.

5 de agosto de 2012

Vamos comer Caetano....

Caetano, na teça.
Fará 70 anos!
Sou Caetano Futebol Clube!
Politicamente, gosto do Chico.
Mas a obra do Caê é mais viva.
Há diferenças claras.
Chico usa personagens nas canções.
O Caetano é leonino.
Fala dele, se desnuda.
E vive se reinventado!
Transita em outros estilos.
E rompeu o “banquinho e violão”.
Que às vezes mata de sono!
Há músicas fantásticas:
“Oração ao tempo”, “Língua” e "Trem das Cores"
Ainda hoje as revisito.
Paula Lavigne, sua ex.
Um dia disse:
"Transamos quando eu tinha 13 anos.
Ficamos 26 anos juntos.
Adoro ser qualquer coisa dele.
Ex, Futura, o que for.
Tudo que venha dele, está ótimo”.
No disco "Cê".
Ela a homenageia:
"Nada, nem que a gente morra
Desmente o que agora
Chega à minha voz.." 

Há prova maior de beleza?

1 de agosto de 2012

O batalhão de idiotas.....

"Idiotés", para os gregos.
Era o ser não-político.
Que não ia às Ágoras.
E só vivia sua "vida privada"!
Curioso o "sequestro semântico".
Da palavra hoje em dia.
Afinal, é super glamouroso dizer:
"Não me meto em política.
Coisa restrita à gente sem caráter".
Fico refletindo....
Será tão difícil entender.
Que se é, ao mesmo tempo.
Parte do problema.
E também da solução?
E política é tomar pé das coisas.
Se organizar e agir?

31 de julho de 2012

Overdose de ostracismo!

Semana de documentários.
Sobre mestres da MPB!
Hoje foi sobre Wilson Simonal.
Que história linda.
Que história dura!
O brasileiro não tem memória.
Ícones de nossa cultura.
Morrem de overdose de ostracismo!

Auto-promoções 9.....

Matéria do Valor Econômico de hoje.
Sobre economia verde.
Meu nominho tá ali!

Sobre carros e pessoas...

Curioso isso!
É só escutar.
Um "barulhinho estranho" no carro.
E toca ir no mecânico.
Pra não ficar na mão!
Agora quando o "barulhinho"'.
É no interior da gente.
Nos furtamos, sem tempo.
De parar pra refletir!

30 de julho de 2012

Sobre rejuvenescer....

Revi o documentário do Vinícius.
Adoro tudo dele!
Fez como poeta e músico.
Mais ao Brasil.
Do que todos milicos juntos!
Aliás, curioso isso.
Vinícius foi daqueles raros sujeitos.
Que foi rejuvenescendo.
Ao envelhecer!
Foi largando todos protocolos.
E as amarras da vida adulta.
Pra viver de paixões!
Foi do sério.
E tímido diplomata jovem.
Ao boêmio anárquico apaixonado.
E ao hippie hedonista.
E ancião de Itapuã.
Vida vivida....bem vivida!

27 de julho de 2012

A favor da Pirataria !!

Na Suécia.
Há o Piratpartiet.
Um Partido Político.
Que defende a Pirataria.
Total e irrestrita!
Argumentam, sabiamente.
Que esse papo.
De propriedade intelectual.
É uma bobagem!
Não há donos de "idéias".
O conhecimento, as descobertas.
As ciências, as artes.
São contruções coletivas.
De socialização do saber.
Achei fantástico!
Porque se golpeia.
A idéia de originalidade.
Coisa subjetiva e vaga.
Que se emprega.
À mercantilização de tudo.
Eu apoio!

26 de julho de 2012

A dor elegante...

Uma época aí.
Depressão virou moda!
O lance era aderir.
Por motivo bobo que fosse.
A Prozacs e afins.
Pra combater o “vazio da alma”.
E o “lado orgânico” da dor!
Provou-se, adiante.
Que era uma onda.
Pra enriquecer.
A indústria farmacêutica.
Em detrimento de caminho mais árduo:
O saber psicanalítico.
Filosófico e humano.
Aliás, como abrir mão do luto?
Dos momentos barra-pesada?
Do auto-confronto?
Seríamos o que somos.
Se só houvesse alegria?

24 de julho de 2012

As sutilezas do vício...

Como as traições.
Os vícios são mais sutis!
Chocolate, cocaína.
Micaretas, bebida, novelas.
São superlativos.
Da ditadura do gozo.
Cujos prazeres.
Foram padronizados.
E normatizados!
Vícios, de fato.
São mais perenes.
São traumas amalgamados.
São jeitos de corpo.
Renúncias duras.
Opiniões inflexíveis.
São auto-enganos.
Personas rígidas.
Que duram, duram.
E vivem por eras.
Dentro da gente!

23 de julho de 2012

O batalhão de indignados....

E de repente.
Todo mundo se indigna!
Acusa-se ali, protesta-se aqui.
E todo mundo põe a "boca no trombone".
Formando o batalhão dos indignados!
O mais curioso.
Que isso é um claro sintoma.
Da falta do que dizer!
Sempre será mais fácil.
Atacar, se indignar.
Do que buscar entender!

22 de julho de 2012

Sobre revisitações....














Mesmo aquela música.
Tantas vezes escutada.
Deve ser re-ouvida.
Aparecerá, certamente.
Outros timbres.
Fraseados novos.
Chiados subliminares.
E sonoridades escondidas!
Assim é a vida vivida.
Que em revisitações.
Explode de surpresas!

18 de julho de 2012

O melhor presente de São Paulo....











Sampa te dá um presente:
O anonimato!
Ninguém te conhece.
Ninguém te enxerga.
E pessoas somem por aí!
Um bom exemplo é o cara.
Que gamou numa mina linda.
Numa conversa de metrô.
Chegou a estação dela.
E ela sumiu na multidão!
Ele espalhou outdoores.
Foi em programa de TV.
E fez um livro sobre o caso.
Procurou-a, procurou-a.
E nunca a mais viu!
Sampa te dá um presente:
O inapelável anonimato!

Essa tal felicidade....

Papo de "felicidade" cansa.
Quase sempre me dá sono!
Felicidade é uma idéia velha.
Felicidade é uma idéia errada.
Significa adotar uma monotonia.
E, sobbretudo.
Uma redução geral.
Da intensidade da vida.
Felicidade é.
Necessariamente descontínua!

16 de julho de 2012

Porque é preciso ter lado.....

Até que ponto.
Somos nossas circunstâncias?
Até que ponto.
As opiniões bailam.
À luz das conveniências?
Qual o limite.
Das concessões, das tolerâncias?
Das pequenas maledicências?
Dos pequenos desvios?
O bom senso é ser flexível?
A ética é uma geleia?
Sei não, se não.
O fato é que.
Grandes homens, sempre tiveram "lado".
Errados ou certos.
Mas sempre..... com "lado"!

O zunir do tempo...

De repente.
Passou meio ano.
Outro dia era janeiro.
Agora, o inverno.
A metado do ano.
A metade da lua.
Mas quando mesmo.
O tempo passou a correr?
Onde estão mesmo.
Aquelas tardes de tédio.
O relógio parado.
A agonia de nada andar?

10 de julho de 2012

Na média, todos iguais....

Fora os muito azarados.
E os muito sortudos.
Eventos bons e ruins.
Acontecem, em doses parecidas.
Pra todos.
Aí vem a grande sacada.
"Interpretá-los".
É a chave de tudo!
Daí deriva a diferença.
De se atirar do prédio.
Ou seguir em frente!

9 de julho de 2012

O melhor da mulher....













O momento mais esplêndido.
Pra contemplar.
A beleza feminina.
É o frescor depois do banho.
De um dia de praia e mar!
Porque ali se junta.
No ângulo calmo.
Da adoração visual.
O colorido quente.
E a ardência bronze.
Da pele viva.
Morrendo de sede!
A imagem-mulher.
Por assim, dizer.
Explode em licores.
Signos iluminados.
E cabelos molhados.
Exalando, desimpedidos.
O aroma do fervor.
De corpos que se merecem!

(fev/2010)

4 de julho de 2012

Sobre nós brasileiros...

Generalizações são burras!
Mas vou me permitir uma:
Da mesma forma.
Que temos o DNA.
De não respeitar regras.
Ultrapassamos, como ninguém.
A fronteira do outro!
Difícil encontrar tamanha amabilidade.
Entre desconhecidos.
Como aqui!

Conclusões sobre o ócio...

É na quarta semana de férias.
Que cai a ficha.
Que a vida é linda!
E o trabalho.
Além de alienante.
E apenas mais uma coisa.
Dentre tantas outras!

3 de julho de 2012

A "miojização" de tudo...

Acho engraçado.
A ansiedade da nova geração!
Talvez esse estilo de vida.
Tão "conectado" e "desplugado".
Deseduque calmas necessárias.
A instantaneidade de tudo.
Agride o conceito.
Que nada vida, existem processos!
É como um bom prato.
É preciso tempo, cozimento.
Não essa "miojização" de tudo!

29 de junho de 2012

Observações viajantes 11...

Chego com uma conclusão:
Tirando Sampa.
A única cidade.
Que moraria voluntariamente.
É Madrid!

Observações viajantes 10...

Último dia em Madrid!
"Oh memoria, enemiga mortal de mi descanso!". 
Don Quijote de La Mancha.

Observações viajantes 9...

Em Roma.
Como os Romanos.
Em Firenze.
Como os Toscanos.


Dia 26 de junho de 2012.

Observações viajantes 8....

Partindo de Atenas.
Com uma curiosa conclusão.
A música contemporânea grega.
Dá de mil na brasileira, americana, etc.
É absurdamente mais harmônica e instigante.
E orgulhosamente menos artificial!


Dia 21 de junho de 2012.

Observações ligeiras 7...

Como no livro, "Zorba, o Grego".
Na crise, simplesmente dance....

Observações viajantes 6....

Crise à parte.
Almoço grego é imbatível!
Moussaka, vinho.
Azeite, iogurte.
Vento e céu azul.
Dia de contemplação Helenística!


Dia 18 de junho de 2012.

Observações viajantes 5....

Chego em Atenas.
Em dia de histórica eleição.
Deu os conservadores.
Agora é conferir o povo nas ruas!


Dia 17 de junho de 2012

Observações viajantes 4....

De fora, percebe-se o inexorável:
O grande avanço que nos falta.
É que as regras da sociedade.
Sejam cumpridas não só pelos pobres.
Mas também pelos ricos.
Sem uma vírgula de concessão!


Dia 16 de junho de 2012.

Observações viajantes 3....

Ibiza que nada.
Mallorca que é lindíssima!
Praias limpas e paradisíacas, boa comida.
Língua própria e povo orgulhoso!
Mas o que chama a atenção.
É a organização em prol do Turismo.
A Espanha, na tal "crise do capitalismo financeiro".
É um show de civilidade!
Estamos anos-luz....

Dia 15 de junho de 2012

Observações viajantes 2....

Ah, nada como estar em Barcelona.....

"Llena, pues, de palabras mi locura 
o déjame vivir en mi serena noche 
del alma para siempre oscura".

García Lorca

Observações viajantes 1....

O centro de Madrid.
É tão cheio de vitalidade cultural.
Que a crise parece inexistir!
Hoje, enfim, vi os horrores da guerra.
No Guernica, de Picasso.
É de tirar o fôlego.

Dia 9 de junho de 2012.

5 de junho de 2012

Viajar cura...

Sempre recomendo viajar.
Pra pessoas em crise.
E pra bem longe!
É preciso distância de tudo.
E de si mesmo.
Pra se reinventar!

abril 2012

30 de maio de 2012

Contradições humanas...

Tem coisas.
Que são óbvias.
Mas impraticáveis!
Quanto mais relaxado.
Melhor se faz tudo.
E se rio de mim.
Aí que me levam a sério!

29 de maio de 2012

Direito à preguiça....

Contagem regressiva.
Pra merecidas férias!
A ideia do tempo livre.
De traçar o dia.
Como bem entender.
É algo impressionantemente.
Fundamental ao espírito!

28 de maio de 2012

O vai e vem da alma....










Nosso íntimo é barroco:
Dependência ou autonomia.
Apego ou liberdade.
Partir ou ficar!
Os altos e baixos da vida são.
Em via de regra.
Expressões desse conflito:
Prender-se, desprender-se.
Abandonar ou encontrar.
Sair, voltar.
Eis os movimentos de tudo!

Originalmente publicado
em 29 de julho de 2010.

26 de maio de 2012

E por falar em coerência....

Me assusto.
Com quem enche a boca.
Pra cobrar coerência.
E inflexibilidade a concessões!
Avançar.
É sim, renegar idéias.
Inadequadas ao momento.
E a a incoerência.
É uma virtude sagrada.
Porque permite transitar.
Em situações concretas!

25 de maio de 2012

Vendo o Brasil de fora....

Curioso isso.
Quem sai do Brasil.
Fica com a visão distorcida!
Ou só fala mal do país:
Desorganização, burocracia.
Atraso, desordem, pobreza, etc.
Fococa, falta de privacidade.
Ou morre de saudades:
Coxinha, pão de queijo, sol.
Sabonete Phebo, feijoada, calor humano.
E canta "o que é, o que é".
Do Gonzaguinha.
Raramente.
Vejo o meio-termo!

23 de maio de 2012

Sobre desprendimentos...

Impressionante minha simpatia.
A pessoas desapegadas.
A pessoas não óbvias.
Pessoas que, fundamentalmente.
Mostram desprendimento.
Em momentos capitais da vida!

21 de maio de 2012

A vida no eixo....

A vida no eixo.
É de prazeres simples!
Pausar longamente no almoço.
Andar descalço.
Mudar de caminho.
Perder-se nas ruas.
Mudar o sofá.
Provar novos temperos.
Dormir mais tarde.
Dormir mais cedo.
Mudar.
Métodos, jeitos, idéias.
Roupas, músicas, livros.
Caminhar a esmo.
Ir ao cine só!
Separar devotamente.
Lazer e trabalho.
Viajar sem destino...

Provocações musicais....













Como não sou músico.
Tenho mais liberdade de dizer.
Mas o Progressivo.
Fez um grande desserviço.
Ao complicar o Rock.
E quase o matou!
Se não fosse o Punk.
O gênero teria sucumbido.
No colo do Elton John.
E de um Sting da vida.
E tenho dito!

16 de maio de 2012

Sobre alívios e desesperos...

Tempos de alívio.
Férias em visita.
E viagem ao velho mundo!
Mas eis que descubro.
Que meu passaporte brasileiro.
Está vencido!
To no limite do tempo.
Pra resolver isso.
E dá-lhe desespero!

14 de maio de 2012

A maldita falta do que falar.....

Incrível como há períodos.
Que ficamos prostrados!
Não há idéias.
Insights, pensamentos.
Músicas edificantes.
Aromas, pratos.
Filmes, conversas.
Nada de novo no front!
Uma vida totalmente atribulada.
Que aprisiona sua alma!
É como se o esgotamento.
Anulasse a reflexão de tudo.
Talvez aquilo que Cazuza disse:
"A maldita falta do que falar!".
E também:
Que preciso de férias!

11 de maio de 2012

A museologia do presente.....













Curiosos esses tempos.
Tempos de encapsular tudo.
Captar, digitalizar e armazenar.
Eis o lema!
Tudo é "facebookiado"!
Pequenas alegrias.
Gestos não espontâneos.
Sorrisos congelados.
E frases escorregadas!
Nossos passos.
Sob a vigília do Deus Cronos!
Erguem-se fortalezas pessoais.
Museus do presente.
Museus do que acaba de acontecer.
Museus da instantaneidade.
Não parece estranho.
Ter saudades do anteontem?
Do presente?
Captar e armazenar.
Eis o lema.

maio de 2010

10 de maio de 2012

Sobre pessoas 8 ou 80...














Nada pior.
Do que pessoas binárias.
O lema "ou isto ou aquilo" é o fim.
É o fim da poesia.
A morte da doçura do talvez!
As mais ricas interpretações da vida
Não são lineares.
São anárquicas.
Famintas de outros ângulos!
Quando vejo esses "seres 8 ou 80"
Pregando suas limitações.
Fujo.
Morto de medo do contágio!

9 de maio de 2012

Nada como os Afro Sambas...

Não sou religioso.
Mas se fosse.
Seria do candomblé!
Adoro o culto aos orixás.
Os batuques dos terreiros.
A mitologia Yoruba.
E os bons fluídos!
Nesse fim de semana.
Mergulhei nos "Afrosambas".
Do Vinícius e Baden Powell.
É quase um transe.
Canto de Xangô é lindo.
De chorar!
E parece um mantra.
Há 5 dias não paro de cantar!
"Abença Nanã. Salve os Iberês.
Em meu Jacutá.
Faça entrar nova manhã." 





7 de maio de 2012

Sobre suicídios em shoppings...

Logo que cheguei em Brasília.
Presenciei uma cena chocante:
Um suicídio num shopping badalado!
A cena do corpo caindo.
E a posterior "higienização" da área.
Visto que sumiram com o corpo.
Em pouquíssimos instantes.
Me deixaram perplexo!
Esperei por notícias na mídia.
E nada, nenhuma nota.
Claro, há uma blindagem do fato.
Pra não atrapalhar o comércio.
E evitar novas situações!
Daí fui ler sobre o tema.
Descobri que leis em outros países.
Responsabilizam os estabelecimentos.
Pela arquitetura que facilita o ato.
E há amparo psiquiátrico pra isso.
Dizem, os entendidos.
Que suicidas nem sempre premeditam.
Vem o impulso de se matar.
E havendo facilidades no local.
O ato é mais provável de acontecer.
O que tendo a concordar!

6 de maio de 2012

O mundo mais musical....

Dizem que na Idade Média.
Por conta d'água.
Ser o veículo de doenças.
Recomendava-se restringi-la.
Pra só beber.
Vinhos e coisas do tipo!
Ou seja, grosso do povo.
Passava embriagado.
Grande parte do tempo.
Sob os efeitos do manto etílico.
E do Deus Baco!!
Sei não, se não.
Talvez o mundo fosse mais feliz.
Sei não, sei não.
Certamente, certamente.
Era mais musical!!

5 de maio de 2012

Sobre Balzacas e Lolitas....

Numa conta simples.
Tendo a expectativa de vida.
De hoje e do Século XIX.
As balzaquianas atuais.
Teriam de 45 a 50 anos.
Por isso continuam irresitíveis.
Demi Moore(49), Monica Bellucci(47).
Catherine Zeta-Jones(44).
Cláudia Raia(46), Paula Toller(49).
Luíza Brunet(49) e Soledad Villamil(44).
E a mulherada na faixa dos 30.
Dos tempos atuais?
Ora, seriam adoráveis Lolitas!

4 de maio de 2012

"Quem lê tantas mensagens"?...

Caetano, em "Alegria, Alegria".
Dizia "quem lê tanta notícia?".
Referindo-se às tantas bancas.
Abarrotadas de jornais da época!
Diria hoje, "quem lê tantas mensagens?".
Tendo em vista o manancial.
De emails, sms's, facebooks, scraps, etc.
De nossa tecno-modernidade!
É impossível ler o mundo.
Apenas fragmentos do mesmo!

Auto-promoções 9....

Ficou ótima!
A reportagem.
Na página seis.
Investimentos produtivos.
Futebol clube!

3 de maio de 2012

Qual o segredo (afetivo) de Tostines?

Sempre quando falo.
Com gente aprisionada.
Na antiga relação.
Vem-me curiosa dúvida :
Será que o que mais dói.
É a falta da pessoa em si.
Ou a falta de você gostando da mesma?
Até que ponto vai nosso egoísmo.
De "trancar" pessoas-veículos.
Que nos levam além de nós?

30 de abril de 2012

Sobre mulatas e padarias...

Acho que o grande drama.
Do Paulistano exilado.
E viver sem padarias.
Dignas do nome!
Tenho a forte impressão.
Que a mais chinfrim de Sampa.
É melhor que a melhor.
Padaria de qualquer cidade!
Seja pela estética, organização.
Agilidade dos empregados.
E as milhões de opções!
Acredito no seguinte.
As grandes contribuições.
Dos portugueses ao mundo.
Foram, pela ordem:
Criar as mulatas.
E depois as padarias!

28 de abril de 2012

Sobre lugares alternativos...








Tirando em Sampa.
O que não é Mainstream.
É alternativo!
Acho engraçado isso.
Em todas outras capitais.
Desse Brasil, Baronil.
Se você não frequenta.
Os "lugares óbvios".
Vai aos "alternativos".
Fico pensando.
O que seria alternativo.
Em São Pulo?
Aliás, alternativo a que?

27 de abril de 2012

Reflexões sobre Sampa....









Sampa te faz ter pressa.
Sabe se lá o porquê.
É botar o pé.
Ou a roda na rua.
E tudo parece correr.
Presa disso.
Presa daquilo.
Simplesmente pressa.
Tanto ao Paraíso.
Ou à Liberdade.

26 de abril de 2012

Sobre mulheres fofoqueiras....

Quando posso.
Fujo de almoços corporativos.
Prefiro ler.
Trocar de assunto.
De idéias.
E arejar a cabeça!
Conheço bom lugar em Brasília.
Ventilado e calmo.
Uma delícia!
Só estraga quando chega.
Uma mulherada do call center.
É uma tortura!
Falam muito e falam alto.
E o pior.
Só falam mal da vida dos outros.
As mulheres tomarão o poder.
O mundo melhorará.
Mas precisam fofocar menos!

25 de abril de 2012

Sobre e-mails escritos com raiva...











E-mails escritos com raiva.
Devem fazer pitstop obrigatório.
Na pasta de rascunhos!
Pra poder respirar fundo.
Antes de enviá-los como flechas.
Dinamitando sentimentos.
E destroçando relações!
Um bom editor de si mesmo.
Sabe guardar e aguardar.
Sabe reescrever.
E fundamentalmente.
Sabe diferenciar.
O que vem do estômago.
E do coração.

abril de 2011

24 de abril de 2012

A arma do silêncio....

Papo com gente.
Que acabou de separar.
É sempre dramático.
E surpreendente!
O que mais me espanta.
É a sede por vingança!
Quer-se "falar umas boas".
Desabafar raivosamente.
Atrapalhar a vida de terceiros.
E torcer para que o outro se exploda!
No entanto, basta uma menção.
Pra retomar a relação.
E bandidos viram heróis!
Ah, umbigo humano.
Existirá o dia.
Que a melhor resposta.
Pra a agressão do outro.
Será a arma do silêncio!

Quando tudo era infância....














Em tempos atuais.
O que mais adoro fazer.
É jogar bola com sobrinho!
Além do momento lúdico familiar.
Cheio de animação e graça.
Tem-se o enorme benefício.
De reviver a infância.
A dele, sem dúvida.
Por contemplar o crescimento.
E a sua, por lembrar o que foi:
Um menino tal e qual.
Cheio de energia.
Cuja única preocupação.
Era correr atrás da bola!!

Uma quase não-vida...

Ter personalidade hoje.
Não é produtivo.
E nem aderente ao mundo.
A onda "up to date".
É demonstrar leveza.
E flexibilidade a adaptações.
Ao invés de lapidar uma persona.
Viramos um estilo de vida:
A praia que frequentamos.
O destino das férias.
O livro que carregamos.
A iguaria que provamos.
E o mega-show que iremos.
Todos nossos melhores predicados.
Colorem fotos e frases.
De páginas do Facebook.
E seguimos assim.
Cheios de esboços.
Mas sem sermos de fato.
Viva a pós-modernidade!

22 de abril de 2012

Viajar cura......

Sempre recomendo viajar.
Pra pessoas em crise.
E pra bem longe!
É preciso distância de tudo.
E de si mesmo.
Pra se reinventar!

19 de abril de 2012

Sobre professores...

Tá, vou ser polêmico.
Não caio nessa.
De endeusar professores.
Como mestres de nossa vida!
Isso parece mais.
Velhos sectarismos de sempre.
O conhecimento "tá no ar".
Quem quiser agara!
Sem reservas de mercado.
Na minha vida escolar.
Tive muitos professores ruins.
Ouvi cada barbaridade!
E uns 90% do meu parco saber aprendi fora.
Alias, sempre achei as escolas.
Locais de "adestramento".
E não promotores.
Do conhecimento libertador.
E fim de papo!

Sobre "Shimbalaiês".....

Ah, essa nova MPB!
Toda repleta.
De filhos-parasitas.
De pais famosos.
E engodos.
A la Maria Gadu.
Tirando um Criolo da vida.
Tudo é uma grande porcaria!
Acho que nunca.
Nunca mesmo.
Se fez tanta coisa ruim.
Na história da humanidade!

18 de abril de 2012

No fundo sou um conservador.....

No fundo sou um conservador!
Nem o celular consigo trocar.
O prazer tátil, pelo menos a mim.
Das teclas em relevo.
É inapelávelmente superior.
Às telas multi-touch.
E outras firulas quetais.
Daí que continuamos na mesma!

O silêncio do afeto......

É engraçado isso.
Como valorizamos o falatório!
Ser supostamente “fechado”.
Virou pecado mortal.
E o mais curioso é que.
Muito da verborragia sentimental.
É mais performance, do que fato.
Dizer "Eu te odeio”, “Eu te amo”, etc.
Já são, por si só, formas de prazer.
Afinal.
Dá tesão “intensificar” sentimentos.
Por outro lado, são simplicações.
Escondem nuances, conflitos.
Detalhes e complexidades.
Além de oprimir o outro, claro.
Pela “ansiedade” de equivalências!
O fato é que o silêncio e a reserva.
São bem mais nobres à afetividade.

17 de abril de 2012

Provocações sertanejas.....

O quão inexorável é.
A hipocrisia masculina.
De fazer sugerir.
Que a inteligência feminina.
É o ponto alto da atração!
Se fosse isso de fato.
Toda essa onda sertaneja.
Não seria o que é!

16 de abril de 2012

Sobre segundas-feiras anárquicas...

E de repente a vida.
Explode em eventos!
Tantas coisas ao mesmo tempo.
Que inexiste reflexão.
Momentos bons e ruins.
São impiedosamente esquecidos.
Pela lei de ter o que fazer!
Na prática a falta de tédio.
Virou traço da esquizofrenia moderna.
Tudo é fragmentado e momentâneo.
Pra encher museus do presente.
Lembro quando o nada era tudo!
Não tínhamos dinheiro.
E qualquer coisa era felicidade.
Hoje não existem momentos raros.
Divisores de águas, reinvenções.
Apenas uma tediosa e enjoativa.
"Espetacularização de tudo!"

Encerrando ciclos....



Tudo se resume a ciclos!
Pode pegar qualquer teoria:
A astrologia de jornal.
O eterno retorno Nietzschiano.
O Yin Yang Chinês.
A ação da Petrobrás.
E a ovulação da mulher.
É um vai e vem.
Um abre e fecha.
Um sobe e desce sem fim!
Mas curioso a resistência.
Pra encerrar alguns ciclos.
Você sabe como é.
Cansou do que é.
Mas não acaba!
Nossa essência além de beleza.
Humanidade e desequilíbrios.
É amalgamada de vícios!

14 de abril de 2012

Mulheres e elogios...

Disse o Motoqueiro.
Numa rua de Sampa:
"Morena, não é seu aniversário.
Mas Parabéns!!".
E todo povo virou pra ver.
O caminhar sexy.
O sorriso contido.
E o ego nas alturas!
Ah, mulheres.
Como merecem elogios!
E até cantadas de pedreiros.
Nada como um assoviozinho.
Pra levantar a estima!

dez 2010

Grade Gatsby....



Terminei o "Grande Gatsby".
De Scott Fitzgerald.
Romance com um dos finais.
Mas emocionantes e densos.
Da história da literatura.
Aquelas últimas 10 páginas.
Que você saboreia.
Letra por letra.
Palavra por palavra!

12 de abril de 2012

Sobre medo e coragem...

Uma amiga contava.
Que pintou grande desafio.
Confusa e excitada.
Dizia sentir coragem.
E sobretudo medo!
Perguntava, também:
"Mas coragem não é.
Ausência de medo?"
Sei não, sei não.
Mas falta de medo.
É inconsequência!

10 de abril de 2012

A sabedoria invisível do corpo.....

O corpo humano.
É pura sabedoria!
Estimulado artificialmente.
Cobra os juros do esgotamento.
Inundado de multi-prazeres.
Cobra o vazio da existência.
Destreinado de conhecimento.
Cobra o preço da ignorância.
Passei por mil métodos.
Até chegar no melhor estilo de vida:
O lance é ter boa disciplina.
E temperá-la temporalmente.
Com doses generosas de indisciplina!

Nossa própria ficção.....

O Blog fez dois anos!
Inacreditavelmente.
Ainda o mantenho.
Talvez tenha virado vício.
A gente se exibe.
A gente escreve bobagens.
A gente desopila o fígado.
Certo é que a realidade inexiste.
A vida é um jato de narrativa ficcional.
Do nosso umbigo diante de tudo!

Relembro aqui o primeiro post:

Ato de inauguração.

Enfim, um blog.
Um diário.
A frequência, não sei.
O intuito é ser rápido.
Registar sínteses.
Pensamentos residuais.
Idéias dispersas.
Frases borboletas.
Tenho 35 anos.
Algo devo dizer.
Vamos ver no que dá.
Adoro novas fases da vida.
Meu lado mulher.
Um troço com ciclos....

9 de abril de 2012

Sobre feias sem maquiagem.....

Que repercussão!
Da foto de uma artista global.
Sem maquiagem e cuidados especiais.
De repente a obviedade:
Ela é.. o que todos somos:
Feios in natura.
Tão simples assim.
Como a feiura ingênua do acordar.
Mas hoje impera o "tudo é pose".
E todo mundo se imagina.
Estampado em outdoor!

Dez anos sem cigarro...

Dia de celebrar!
Faz 10 anos.
Que larguei o cigarro.
Quem é das antigas.
Lembra o quanto eu fumava.
E sobretudo.
O quanto era viciado.
Amigos mais novos.
Nem imaginam.
Batalha vencida.
É um presentaço pra si!
Todos podem.
Se assim o quiserem, claro.

Brasília Maracujá....



Depois de dias.
Trabalhando pra lá.
E pra acolá.
Eis Brasília de novo.
Essa cidade, sem dúvida.
Me dá sernidade.
E mais horas de sono.
A somatória Zen Terrena.
De cuidados físicos.
E recarrego nas pilhas!

7 de abril de 2012

Dias de sol.....



Determinismos à parte.
O sol é o grande astro!
Ele te expulsa de casa.
Ele alegra a cidade.
E colore toda a gente.
Sábados encolarados...
As pessoas, inapelavelmente.
Se entrelaçam!

set 2011

3 de abril de 2012

Auto-promoções 7...

Ficou boa a matéria.
Boas oportunidades, sem dúvida!

2 de abril de 2012

A cidade sou eu!

Fulano odeia São Paulo.
Sicrano não aguenta Brasília.
Beltrano fica deprê no Rio,
E Delano quer vazar de Salvador.
Curioso que muitas vezes.
As cidades são o arremedo.
De nossos estados emocionais!
O que certamente.
É uma baita crueldade com elas.
No fundo, no fundo.
"A cidade sou eu"!

Sobre capitais.....

Seis capitais.
Em dez dias.
Donde concluo:
Nenhum lugar.
É melhor que o outro.
Por si só.
Todos têm aspectos fascinantes.
E problemáticos.
E o melhor a fazer.
É captar a essência.
Falando com o povo.
E gastando a sola do sapato.
Nada é tão delicioso.
Como "flanar" pelas cidades!

Sobre ir e vir..

Floripa tem trânsito.
Porto Alegre em trânsito.
Salvador têm trânsito.
Brasília tem trânsito.
O Rio tem trânsito.
E Sampa também.
Mobilidade urbana.
Deveria ser assunto obcecado.
Da agenda política!

29 de março de 2012

Dias de azar....

Dia do pior lugar no avião.
Dia do pão cair do lado do requeijão.
Dia dos faróis que sempre fecham pro seu carro.
Dia que o trânsito tá só na sua via.
Dia de gol roubado contra o time do coração.
Dias de azar trazaem sabedoria:
"Talvez muito seja por acaso".

28 de março de 2012

Cores de compromisso...



Ruy Ohtake tem razão.
Independente de gostos.
Quem tem medo de ousar.
Nunca será vanguarda!
E a arquitetura das cidades.
Pede arte, cores e curvas!
Por isso prefero.
Cidades menos "beleza natural".
E mais "materialidade humana".
A obra do homem.
A criação, a sociabilidade.
E a magia do tecido urbano!

27 de março de 2012

Sobre desejar....

Insatisfeitos.
Desejamos mais.
Satisfeitos.
Desejamos novos desejos.
Querer é, portanto.
Um jato contínuo.
Curioso que procuramos em vão.
Causas pra angústia, deprê, tristeza.
É novo desejo em silêncio!

26 de março de 2012

Cores de Goiânia....



Uma cidade colorida!
Morena-aquarela.
Laranja Boreal.
Dourado da carne.
Verde dos buritis.
Marrom Anhanguera.
E castanho dos olhos.
Uma cidade jóia rara!
Safiras escondidas.
Tâmaras de luzes.
Zaias de esmeralda.
Flor de lótus.
Luz-de-Liz.
Beleza púrpura.

22 de março de 2012

O trabalho emburrece....



Adoro meu trabalho.
Mil decisões.
"N" estratégias.
Muitas viagens.
E a arte de negociar.
Mas, como todo trabalho.
Emburrece!
Por uma simples razão.
Como qualquer outro.
Fica restrito.
A meia dúzia de temas!
A verdadeira inteligência.
Precisa de tempo livre.
E a ampla liberdade.
Pra transitar pelas idéias.
E pelo mundo!

21 de março de 2012

Sobre se conectar às pessoas....

Van Gogh e Picasso.
¨A noite estrelada¨ e ¨Guernica¨.
Um morreu na miséria.
E o outro bem sucedido.
Um vivia um mundo estranho.
E fugia das pessoas.
O outro era um imã social.
Amantes, carisma e riqueza.
Ambos foram brilhantes.
E gênios.
Mas quem viveu melhor?
Aliás, quem pode dizer?
Seríamos, de fato.
Escravos da sociabilidade?

20 de março de 2012

Viver em dois lugares..

Viver em dois lugares.
Como eu, exige memória.
Duplica-se o que importa.
Garrafas de azeite.
Vinhos do mês.
Protetores solares.
E chaves da porta.
Mas o melhor.
É desmontar a rotina.
Acordar e não saber onde está.
Ter um sábado ali.
E uma segunda acolá.
E se programar, programar.
Pra desprogramar!

De repente, outono.



De repente, outono.
O calor cede.
Os corpos se escondem.
As cores se recolhem.
De repente, outono.
A euforia cessa.
O ano começa.
E a vida se endereça.
De repente, outono.
As folhas no chão.
Tempo, estação.
Vinho e coração.

abril 2011

19 de março de 2012

Sobre lugares......

Me prendo a lugares.
Também a pessoas.
Mas mais a lugares!
O chão pisado.
A memória do espaço.
O aroma visual.
Os sons do tempo.
Lágrimas e saudades.
Quando olho pra trás.
Sinto lugares.
Também pessoas.
Mas mais lugares.

16 de março de 2012

Sobre sucessos e fracassos....

Sucesso e fracasso.
São pilares do nosso tempo!
Determinam estados emocionais.
E acinzentam verdades.
Podemos amplificar pequenos erros.
E superestimar miúdas vitórias.
O que é uma baita auto-agressão!
Deveria ser obrigatório.
Ver com calma.
Os altos e baixos da vida!
Aliás, obrigatório não tê-los.
Como estágios finais.
Eventuais derrapadas.
E conquistas frugais.
Fazem parte da mesma família.
O "meio", o curso.
O maravilhoso "indo" da vida.

15 de março de 2012

"Eu preciso viver, porra!"....

Sol e festa em Salvador.
Tudo acontecendo rua a fora.
Num sábado explodindo de possibilidades.
Um sujeito preso em casa.
Com as mãos grudadas na barra da janela.
Denotando ainda mais.
Seu espírito enjaulado!
Aí, no limite do desespero.
E no alto da mais impressionante pressão.
Dos compromissos familiares.
Surge o violento grito:
"Eu preciso viver, porra!".

14 de março de 2012

Viva os enfermeiros(as) !

"Curar é secundário.
O objetivo é aliviar o sofrimento humano".
Ninguém aplica tão bem.
O juramento de Hipócrates.
Como os enfermeiros!
Passar temporadas em hospitais.
Deveria ser obrigatório a todos.
Para ver o que essa turma faz!
A boa enfermagem é amor de mãe.
Sem pedir recompensa afetiva.
Médicos são protocolares.
E quase sempre frios.
Enfermeiros são devotos.
Na assistência e atenção ao humano!

13 de março de 2012

Porque é preciso de música 10....

Ando numa fase capixaba.
Ouvindo muito Sérgio Sampaio.
Adoro demais essa música.
O hino do profissional alienado!

O triste nisso tudo é tudo isso
Quer dizer, tirando nada
Só me resta o compromisso
Com os dentes cariados da alegria
Com o desgosto e a agonia
Da manada dos normais.


Sobre festas de garotada....

O mundo mudou mesmo!
Festa de garotada é um sarro.
Há execesso de carinho no ar.
Meninos são meigos com meninos.
Meninas se acariciam.
E o espírito gay venceu.
Ótimo que derrotou a homofobia.
E a caretice, o que é super importante.
Mas pra não militantes.
É meio estranho.
Ficamos como peixes fora d'água.
Pela idade.
E pela inexorabilidade hetero.
É por isso prefiro bares hoje em dia.
São mais adequados para senhores de recato!

8 de março de 2012

O melhor da mulher (em seu dia)....



O momento mais esplêndido.
Pra contemplar.
A beleza feminina.
É o frescor depois do banho.
De um dia de praia e mar!
Porque ali se junta.
No ângulo calmo.
Da adoração visual.
O colorido quente.
E a ardência bronze.
Da pele viva.
Morrendo de sede!
A imagem-mulher.
Por assim, dizer.
Explode em licores.
Signos iluminados.
E cabelos molhados.
Exalando, desimpedidos.
O aroma do fervor.
De corpos que se merecem!

(fev/2010)

Sob meus pés, os caminhões...

Essa greve dos caminhoneiros deixa uma reflexão.
Independente do radicalismo da coisa.
Um caminhão na cidade é muito mais útil.
Do que um carro particular.
Caminhões abastecem a cidade.
De alimentos, equipamentos, bens, combustível.
E carros particulares estrangulam a cidade.
Com o egoísmo preguiçoso dos motoristas solitários.
Curioso ninguém se mobilizar radicalmente.
Muito menos o prefeito.
Contra o uso do carro!

7 de março de 2012

Tímidos não têm vez....

No mundo corporativo.
Tímidos não têm vez!
As empresas são impiedosas.
Não fez amiguinhos.
Não foi bacaninha com o chefe.
E não “garganteou” suas qualidades:
Não sairá do lugar!
Deviam se organizar, creio.
Defendendo bandeiras e ideais.
De um movimento politizado:
Quietude, descompasso.
Anti-sociabilidade e anonimato.
Para negar, com toda veêmencia.
Os pilares idolatrados.
De uma sociedade Big Brother!

6 de março de 2012

Síndrome da Praça é Nossa...

Algo apavorante.
É a escravidão do mesmo!
"Mesma praça.
Mesmo banco.
Mesmas flores.
Mesmo jardim".
Como diria Guimarães Rosa:
O animal satisfeito dorme!

5 de março de 2012

Cantora de barzinho....

Pelo acaso da vida.
Acabei "por tabela".
Vendo o último capítulo.
Dessa novela "Vida da gente".
Como não sabia de nada.
Nada continuei sabendo.
E nada tenho a falar.
Apenas que naquelas cenas finais.
Do desfecho das personagens.
Puseram "Oração ao Tempo", do Caetano.
Cantada pela Maria Gadu.
Que crime fizeram com a canção!
A voz dela estraga a música.
E agredi a memória.
De quem tantas vezes se emocionou.
Não tem jeito.
Essa Gadu é uma cantora de barzinho!

3 de março de 2012

Sede de desiquilíbrios....

Curioso ver a vida oscilar.
Entre as notas 6,5 e 8.
Nada de beira do abismo.
Nada de fundo do poço.
Nada do céu das estrelas.
Tampouco depressão.
Insônias, complexos.
Grandes desiquilíbrios.
Ou o ego super inflado!
Mais curioso é ver.
Que isso....atrapalha.
Há uma pancada de coisas.
Que poderia se mudar.
Mas não se muda.
Quanto tudo.
Absolutamente tudo.
Está dentro da normalidade!

1 de março de 2012

A não-vida...

Seria a não-vida?
Tantas atribuições.
Tantas responsabilidades.
Tanto o que fazer.
Que, curiosamente.
Quase não se vive!
Do outro extremo.
Seria o tédio.
A ausência de fatos.
As perspectivas vazias.
O nulo de tudo.
Ainda mais, a não-vida?
Reflexões, reflexões...
Do último, pelo menos.
Há o benefício.
Do tempo estacionado!

29 de fevereiro de 2012

Bissextices....

Hoje é dia extra.
Dia de ajustar o tempo.
Às andaças da Terra.
Hoje é dia raro.
Dia de dobrar o seis.
E Gregoriar o Calendário.

Sobre arrependimentos.....

Culpa, arrependimento.
Arrependimento, culpa.
No tempo.
Que só arrependimento matar.
Bem-aventurados terão vida eterna!

Madame Satã só cabe em Sampa....



Grande notícia pra noite de Sampa!
A propósito, engoli esse livro.
Um achado!
Narra o que foi o "Madame Satã".
O templo do underground dos 80.
Aliás, dali tirei boa teoria.
A ditadura serviu para "encapsular".
Os anos 60 e os anos 70.
E detonar tudo.
No "desbunde" dos anos 80!
Quem viveu sabe.
Era uma balada incomparável!
Na entrada, um travesti.
Numa piscina de groselha.
E misturava tudo:
Artistas plásticos.
Transexuais.
Darks de periferia.
Punks do ABC.
Jornalistas culturais.
Socielites, poetas.
O luxo e o lixo.
Transando a cidade.
Famintos por diversão!
E claro.
Uma balada que só cabe em Sampa!

28 de fevereiro de 2012

Mulheres "canalhas".....



"Mulheres atingem.
O mais alto grau de feminilidade.
Quando prendem o cabelo pro alto.
E entram numa banheira quente.
Porque a mulher é capaz de tudo.
Depois que mergulha na água quente.
Com espuma e sais!"


Trechos extraídos.
Do delicioso livro:
"Canalha, substantivo feminino."
Da carioca Martha Mendonça.
Recomendo fortemente!
Sobretudo para mulheres em baixa.

O machismo invisível....

Tem um machismo invisível.
Subterrâneo e pouco dito.
Que transforma um homem velho.
Em sábio e experiente.
E uma mulher velha.
Em mulher velha mesmo!

27 de fevereiro de 2012

O casamento ideal.....

Vi de novo o filme "Loki".
Sobre o Arnaldo Batista.
Que vida impressionante.
Do autor da "Balada do Louco"!
Aí disparei a "youtubar" sobre os Mutantes.
Sobre os Baptistas, a Rita, Liminha, etc.
Numa das entrevistas da rainha do Rock.
Ela abre precioso segredo.
Que faz seu casamento durar tanto.
"É fundamental cada um ter seu quarto.
Um dia ele me canta para ficar no meu.
No outro eu canto pra dormir no dele.
E tem dias que cada um fica na sua!".
Polêmicas à parte.
Parece uma fórmula muito inteligente!

24 de fevereiro de 2012

A literatura da vida...

"Um olhinho para os livros.
E um olhão para a vida".
Maravilhosa dica de Zorba, o Grego.
Meu personagem predileto!
Adianta pouco, muito pouco.
Muita erudição, referências muitas.
E não abrir-se à vida!

23 de fevereiro de 2012

O choro masculino....

Nós, homens.
Deveríamos registrar com entusiamo.
Todos nossos choros!
Geralmente são viradas de páginas.
Visitas raras e profundas.
A zonas mais nobres da alma.
Nós, homens.
Poderíamos reparar.
Que mulheres perdem nesse aspecto.
Isso porque choram orgânicamente.
Aliás, são seus hormônios que choram.
Que é uma baita pena!
Nós, homens.
Preferimos chorar escondidos.
Envergonhados, fechados.
Egoístas de nossa comoção.
No fundo, no fundo.
Todo choro masculino,
É um triunfo pessoal.
Comemorado na solidão!

22 de fevereiro de 2012

Sobre religiões e medo de avião......

Tenho um ditado infalível:
É na repetição que dominamos o medo!
Viajo tantas vezes de avião.
Que tenho ZERO de medo!
Virou atividade básica.
Como lavar pratos, ligar o chuveiro.
Entrar no taxi ou por gelo no copo.
Aliás, sou tão desencanado.
Que durmo até na turbulência!
Mas hoje vi uma cena curiosa.
Ao meu lado: um judeu ortodoxo.
Todo caracterizado, com Torá e tudo mais.
E, pra minha surpresa: totalmente apavorado!
A cada solavanco ele agonizava.
E olhava para mim, suplicando conforto.
Diante da minha absoluta calma.
Por horas, pensei em tripudiar:
"O não religioso aqui sou eu!
Você com seu deus deveria estar bem calminho".
Mas minha maldade não durou 15 segundos.
Logo expliquei que eram movimentos normais.
O que parece ter funcionado.
No curso da viagem.
Ele comeu 5 sacos de amendoim.
E caiu em sono profundo!

20 de fevereiro de 2012

Enredos, histórias e sambas...

Amo sambas-enredo.
Sei uns "trocentos" de cor.
Não raro surpreendo velhos sambistas.
Com a mémória de sambas antológicos.
E tenho pra mim.
Que o mais lindo de todos.
É o da Peruche de 1989.
É de arrepiar!
Soma-se a voz do Jamelão.
O texto sem refrão.
"Melodizando" palavras Afros!
É aquela coisa:
Beleza, beleza, e mais nada!

IEMANJÁ SENHORA DOS MARES SAGRADOS
OXUM DAS CACHOEIRAS E DO RIO DOURADO
SENTADO LÁ NA PEDREIRA, CAÔ
JUSTICEIRO PAI XANGÔ, LÁ ESTÁ
TROVEJOU RELAMPEOU, O RAIO ANUNCIOU
INHASSÃ QUE VAI CHEGAR
NOS DÊ A PAZ, PAI OXALÁ
COBRA CORAL É OXUMARÉ
NÃO VEM DE ORUM DE ONDE VEM CHAMA AYÊ


Musicalidades extremas...

Incrível como é nos extremos.
Que ficamos musicais.
Seja na euforia da folia.
Seja na rebordosa da ressaca.
É a sonoridade que guia o espírito!

16 de fevereiro de 2012

Sobre destinos do Carnaval....

Ah, o Carnaval.
Gente indo pro Rio.
Gente indo pra Bahia.
Gente indo pra Pernambuco.
Gente indo pra Praia.
E gente saindo do Brasil!
Vou pra onde tem tudo:
O Carnaval.
Blocos, Anhembi e Vai-Vai.
E o não Carnaval:
Bares, Rock, Cinema.
E sossego!
Sampa!

Gangorras da alma....



Nosso íntimo é barroco:
Dependência ou autonomia.
Apego ou liberdade.
Partir ou ficar!
Os altos e baixos da vida são.
Em via de regra.
Expressões desse conflito:
Prender-se, desprender-se.
Abondonar, encontrar.
Sair.....e voltar!

julho de 2010

No me gusta!

Nada é mais piegas.
Negligente e brochante.
Do que acreditar.
Que somos meros espectadores.
Passíveis a enredos.
Previamente elaborados.
Por forças alheias.
Ao nosso mundo.
Não tem jeito!
Papo religioso.
Comigo não cola!

14 de fevereiro de 2012

Auto-promoções 5......

E lá fomos "palestrar".
Em outro congresso.
Hoje reparei que adoro ouvir.
Na hora da apresentação.
Que sou bacharel em Geografia!
Em meio a economistas.
E toda intelligentsia do mercado.
É importante sacar.
Que podemos ocupar espaço!

Sobre músicas antigas...



Mesmo aquela música.
Tantas vezes ouvida.
Merece a miléssima audição!
Com o novo escutar.
Aparecerá, certamente.
Outros timbres.
Fraseados novos.
Chiados subliminares.
E sonoridades escondidas.
Talvez seja assim a vida vivida.
Que em revisitações.
Transborda em surpresas!

12 de fevereiro de 2012

Ah, o Carnaval na chuva....



Junta-se chuva, bebida.
Boa música de carnaval.
E energia!
E todo mundo vai pra rua.
Chutar água de calçada.
E balançar a juba molhada.
Numa alegria de criança!
Gene Kelly, “Signin in the rain".
Cantar na chuva.
É o ponto mais espontâneo.
E alto, do espírito humano!

10 de fevereiro de 2012

São Paulo cheira pizza.....

Adoro essa cidade!
Adoro o Metrô de Sampa.
Uma verdadeira pororóca.
De gente de tudo que é bairro!
Vê-se de tudo:
Estudantes sonolentos.
Casais encabulados.
Mulheres desleixadas.
Vendedores fustados.
Deselegâncias indiscretas.
Secretárias apressadas.
E solitários desolados.
Gente, gente e mais gente.
E um fato inexorável:
Essa cidade cheira pizza!

9 de fevereiro de 2012

A vitória da sonolência....

Isso que dá.
Ter a receita de um anti-histamínico.
Formulado num "xarope docinho".
Pra tratar uma laringite leve!
O resultado: um absurdo sono.
E a vida anestesiada!
Em frente ao computador: sono.
Em frente à TV: sono.
Em frente ao prato do almoço: sono.
Em uma reunião importante: sono.
Essa experiência me fez concluir:
A sonolência é uma delícia!
Pena que inapropriada.
Pra tempos atuais.
Lembrei da Idade Média.
E da recomendação de tomar vinho.
Em troca da água, que propagava doenças.
Houve tempo que vivíamos "bêbados".
Pois bem agora.
Deveria ser medida de Governo.
Distribuir anti-alérgicos.
Em prol da paz e da ordem social!

8 de fevereiro de 2012

Chatos são fundamentais!



Chatos são totalmente necessários.
Em qualquer sociedade!
Diria melhor, os "bons chatos".
Os que criticam ineficiências em geral:
De empresas, prefeituras, bares, clubes, etc.
Os que centram fogo contra:
A desorganização, as estratégias ilógicas.
A prestação de serviços desatenciosa.
A neglegência de informações básicas.
E o descaso no trato ao outro!
Palmas, e mais palmas.
Pro terror das atendentes dos 0800.
O reclamão das filas estúpidas.
O inquisidor dos gerentes ineptos.
O perfeccionista da ordem dos lugares.
E o crítico da burrice comercial!
Não sei se é coisa de virginianos.
Mas chatos são fundamentais!

7 de fevereiro de 2012

Sobre privatizações...

Nada como simplificações rasas!
Igualar as “privatizações” de agora e de antes é miopia.
Antes empresas eram vendidas a preço de banana.
Inclusive patrimônio nacional não renovável (jazidas de minério).
Agora foi pro mercado a gestão do serviço.
E a INFRAERO fica com 49% dos consórcios vencedores.
E mais os dividendos das companhias!
E o direto à veto (que em Governança significa muito)!
O resultado do leilão foi excelente!
Só em Guarulhos dez grupos concorreram.
Por isso o ágio foi tão elevado (quase 400% na média).
O Governo arrecadará R$ 23 bi.
O mais fantástico é ver o sorriso amarelo da Miriam Leitão.
Dureza criticar o “incriticável”!
O papo agora é que setor privado pagou “caro demais”.

6 de fevereiro de 2012

O batalhão de idiotas....

"Idiotés", para os gregos.
Significava o ser não-político.
Melhor dizendo:
O "cara" que só vivia sua "vida privada"!
Curioso o "sequestro semântico".
De tempos atuais.
Afinal, não é super glamouroso dizer:
"Não me meto em política"
Coisa restrita à gente de caráter duvidoso.
E a "idiotas" em geral?
Fico refletindo....
Será tão difícil entender.
Que se é, ao mesmo tempo.
Parte do problema e da solução?
E política é tomar pé das coisas.
Pra se organizar e agir?