22 de abril de 2013

Mulheres imbatíveis...











Deveria ser obviedade.
Mas não é!
Mulheres que, inapelavelmente,
"Roubam" a alma dos homens.
Combinam explosivamente:
Beleza, autonomia, charme.
Mais, uma inteligência sutil.
Na substituição da segurança da mãe.
Que todo homem resiste em perder.
E fundamentalmente: ciúmes dominado!
Não tem prova maior.
De fragilidade feminina.
Do que excesso de ciúmes.
Porque significa arrancar.
A insegurança do sujeito.
Significa livrá-lo, gratuitamente.
Da necessária desconfiança.
Que nunca, de fato, a conquistou!

9 de abril de 2013

Vizinhos ultrasexuadas....

Impressionante:
Meus novos vizinhos de Brasília.
Transam toda noite!
Ou é casal novo, ou acabaram de mudar.
Dá tesão explorar novos espaços.
Novas roupas íntimas.
Novos cenários, novas posições.
O sexo pede mudanças!
É inexorável.
Mas o barulho não incomoda.
É divertido.
E provocativo!
Às vezes no silêncio da leitura.
Vem aquele diabinho:
"E você bicho...vai ficar aí?
Curtindo esses livrinhos?"
Aquele papo.
O quintal do vizinho.
Sempre é melhor!

4 de abril de 2013

Encerrando ciclos.....











Tudo se resume a ciclos!
Pode pegar qualquer teoria:
A astrologia de jornal.
O eterno retorno Nietzschiano.
O Yin Yang Chinês.
A ação da Petrobrás.
E a ovulação da mulher!
É um vai e vem.
Um abre e fecha.
Um sobe e desce sem fim!
Mas curioso a resistência.
Pra encerrar alguns ciclos.
Você sabe como é.
Cansou do que é.
Mas não acaba!
Nossa essência além de beleza.
Humanidade e desequilíbrios.
É amalgamada de vícios!

3 de abril de 2013

Sobre pimentas e humor....















Quando saí da casa da Mama.
Tive que virar cozinheiro!
Aí o tempero mudou.
E dá-lhe pimenta!.
Li outro dia que a planta.
Beneficia e muito a saúde:
Melhora a circulação.
Ajuda o coração.
A libido e a pressão.
Pela diminuição do sal!
E mais:
O picante da capsaicina.
Soa o alarme do fogo!
E o cérebro descarrega.
Pequenas doses de endorfina.
Para aliar a ardência.
Resultado: equilíbrio do humor!
Aí veio-me uma dúvida boba.
Virei uma pessoa calma.
Pela maturidade, pela privacidade.
Ou foi a pimenta?