21 de dezembro de 2015

Sutil submissão social...


                                                      Abstracionismo em Kandinsky

A OMS fala que 20% da população mundial tem depressão. Não importa o lugar, seja na chuvosa Londres, no alegre Rio de Janeiro ou na fria Moscou.
Trata-se de uma doença de época, um lugar na economia mental da nossa cultura.
Vimos em Freud que a tensão “permitido x proibido” gerou no século passado um tipo de sofrimento diferente, do sujeito sublimar seus desejos pela rigidez da ordem social. Ou seja, “controlar” nossas pulsões e desejos produzia sofrimento.
Agora o sofrimento é bem diferente, ele se instaura não mais no proibido, mas nesse ideal “empresarial de si", de nos anunciarmos como produtos, da busca de maximização de intensidades com o mantra perigoso do "posso tudo, tenho que fazer tudo!".
Diria que é dai que fala a depressão, de um “cansaço de si”, da crueldade de um sistema sem limites, que se você fracassou nesse projeto a culpa é exclusivamente sua.
Faz pensar. A depressão talvez seja uma das formas mais astutas de submissão social!