31 de dezembro de 2011

Que venha 2012! (Sobre viradas de ano...)

Fim de ano atípico.
Em 37 anos de vida.
Deve ser a quarta ou quinta.
Virada que passo em Sampa.
Verdade, vamos mudando!
Além de preferir o sossego.
Não acho necessariamente.
Que balanços sobre a vida.
E passagens temporais festivas.
Signifiquem muita coisa.
Mas o senso comum.
É violentamente sedutor.
E aderimos de alguma forma.
Então que venha 2012!
E sem o ideal de felicidade.
Mas na variedade e intensividade.
Das experiências de vida!

29 de dezembro de 2011

Almoços Contemplativos em Sampa...



Sempre me chamam.
Pra ir no tal Hooters.
Restaurante cujo chamariz.
São ninfetas colegiais.
Que trampam de shortinhos e patins.
Fui pra não voltar mais!
É de extermo mau gosto.
Aliás, estética e comida ruim.
Nesse ponto.
O Spot é imbatível.
Comida excelente.
E garçonetes lindíssimas.
Parecem atrizes de cinema.
É ir e se apaixonar!

27 de dezembro de 2011

Encontrando mulheres da TV ....

Outro dia aí.
Voei com uma musa da TV.
Uma miragem da tela.
Um sonho de mulher.
Uma cobiça dos meus sonhos.
Ao vivo, uma baita decepção:
Rugas.
Cabelos sem vida.
Corpo descuidado.
Expressões frias.
Incrédulo, fitava-a:
É ela mesmo? Será?
E era!
Passei a descofiar, seriamente.
De belezas televisivas!

out 2010

Caminhando no abismo...

Relembrando Avicena :
"É fácil caminhar por uma tábua.
Acreditando que ela está apoiada no solo.
Mas é fácil vacilar e despencar.
Percebendo que está suspensa no abismo”
Adoro essa idéia.
Que cabe mil interpretações!

23 de dezembro de 2011

Feliz Natal!!

Aos leitores do blog:

Desejo-lhes um Feliz Natal!!

E que o mundo não seja apenas um artigo de consumo.
Mas um meio de crescimento humano.
E que as pessoas não sejam apenas indivíduos.
Mas amigos e companheiros de uma longa viagem.
E que a convivência seja pacifica.
E que os discursos não sejam vazios.
E que o silêncio tenha mais valor que a retórica.
E que a paciência tenha mais sentido.
Que a pressa da busca pelo efêmero.

Do amigo

Umberto Conti

20 de dezembro de 2011

Falar de morte é um tabu....



Em nossa "sociedade do espetáculo".
A morte é tabu e assunto proibido.
Aliás, tenho para mim.
Que a mãe de todas religiões.
É angústia da morte.
Mas chega a triste notícia.
Que um conhecido se foi.
Novo, 44 anos, suspeita de doença.
Ligada ao estilo de vida.
Stress, workaholic, sedentarismo.
Fiquei delirando:
Se soubesse do fim tão precose.
Teria trabalhado tanto?
Engolido tantos sapos?
Sacrificado horas de lazer.
De convívio com amigos, família.
Pra cumprir toda liturgia exigente.
Do dito "profissional de mercado"?
Veio-me o livro do Dráúzio Varella.
Sobre doentes terminais.
Dizia que a certeza da morte.
Cria o efeito estranho e positivo.
De se concentrar apenas.
No que verdadeiramente importa!

19 de dezembro de 2011

O fim das utopias...

Vou ser pessimista agora.
Mas como é difícil.
Viver utopias!
A idéia de mudar o homem.
E radicalmente o seu meio.
Trazendo a felicidade.
Que a modernidade não trouxe.
Esbarra no gosto sedutor.
Da independência individual.
Que o capitalismo sugere!
Aí que vem o pepino.
Se a liberdade individualista.
É contraditória à pan-felicidade.
A felicidade imposta.
Será sempre difícil de engolir.

A genialidade do balconita....

E lá estava.
De prosa com o balconista.
No botequim dos botequins.
E ele me confidencia:
Sanduíche de pão francês.
Se corta na vertical.
"Pra ir certinho na boca".
"De assim (horizontal).
"O recheio respinga".
E não é que.
Faz todo o sentido!

17 de dezembro de 2011

Os melhores discos da MPB....

Listas, em via de regra.
São incompletas, voláteis.
Pessoais e tendenciosas.
Por isso vai aí.
Minha lista.
Com os 12 melhores discos da MPB:

"A Tábua de Esmeralda" (1974) - Jorge Ben
"Cartola" (1976) – Cartola
“Krig-ha-Bandolo!” (1973)- Raul Seixas
“Cores e Nomes” (1982) – Caetano Veloso.
“Cabeça Dinossauro” (1986) - Titãs
“Perola Negra (1973) - Luiz Melodia
“Loki?” (1974) – Arnaldo Baptista
“Sampa Midnight”(1983) – Itamar Assumpção
"Vivendo e Não Aprendendo" (1986) – Ira!
“Tim Maia Racional” (1975) – Tim Maia
"A Peleja do Diabo com o Dono do Céu” (1980) – Zé Ramalho
“Na Quadrada das Águas Perdidas” (1979) - Elomar

maio 2011

15 de dezembro de 2011

O parodoxo dos outros.....

Nisso sou radical!
Não se leva sério o que se crê.
Melhor dizendo.
Há um descompromisso em garantir.
Que o que se crê, é que se é.
Exemplos mil em nossa sociedade:
99% não se consideram racistas.
Mas 90% acham que os outros são racistas.
90% se consideram felizes.
Mas só 25% afirmam que os outros são felizes.
É um choque de auto-representação.
O todo é menor que a soma das partes!
O que se crê que se é.
É incosistente perante aos outros!

Na média, todos iguais...

Fora os muito azarados.
E os muito sortudos.
Eventos bons e ruins.
Acontecem, em doses parecidas.
Pra todos.
Aí vem a grande sacada.
"Interpretá-los".
É a chave de tudo!
Daí deriva a diferença.
De se atirar do prédio.
Ou seguir em frente!

Mulheres traídas (e de TPM)....

Não há na fauna humana.
Bicho mais instável.
Que mulher de TPM.
Recém separada.
E traída.
É um tsunami emocional!
Ergue-se, violentamente.
Um império vermelho.
Da mais impressionaste.
Oscilação de tudo:
O que é, já não é mais.
O que foi, agora não era.
O que seria, jamais será.
Dentro da mais alta.
Ignorância masculina.
Residirá a eterna dúvida:
E se essa brutal energia.
Fosse toda canalizada.
Pra abandonar o passado.
E seguir adiante?

abril de 2010

14 de dezembro de 2011

Sobre e-mails escritos com raiva....



E-mails escritos com raiva.
Devem fazer pitstop obrigatório.
Na pasta de rascunhos!
Porque aí respira-se fundo.
Antes de enviá-los como flechas.
Dinamitando sentimentos.
E corroendo relações.
Um bom editor de si mesmo.
Sabe guardar e aguardar.
Sabe reescrever.
E fundamentalmente.
Sabe diferenciar.
O que vem do estômago.
E do coração.

abril de 2011

Recado aos economistas....

Esses economistas!
Convivo com eles.
Como idolatram números.
E teorias quantitativas!
Procuro lembrá-los.
Que a Seleção Natural.
A gde descoberta do Séc XIX.
Não tem nenhuma equação.
Nenhuma técnica estatística.
Nenhuma fórmula matemática.
E nehuma teoria numerológica.
Nada de números!
É texto de escrita comum.
Que todo mundo entende.
E é muito superior.
A qualquer coisa.
Que qualquer economista.
A qualquer tempo fez!

12 de dezembro de 2011

Mulheres e elogios.....

Disse o Motoqueiro.
Numa rua de Sampa:
"Morena, não é seu aniversário.
Mas Parabéns!!".
E todo povo virou pra ver.
O caminhar sexy.
O sorriso contido.
E o ego nas alturas!
Ah, mulheres.
Como merecem elogios!
E até cantadas de pedreiros.
Nada como um assoviozinho.
Pra agraciar a estima!

9 de dezembro de 2011

Sobre o prazer tátil....

Juro que tentei.
Aderir a esse lance de e-books.
Comprei IPAD, e tal.
Mas nāo rola!
O manuseio é incômodo.
As páginas desobedecem a ordem.
E a tela cansa a vista.
Vou apostar:
Os livros serāo imortais!
É um lance de prazer tátil.
Como maços de cigarro.
E a chupeta do bebê!

8 de dezembro de 2011

As Balzacas e as Lolitas de hoje...

Numa conta simples.
Tendo a expectativa de vida.
De hoje e do Século XIX.
A mulher balzaquiana atual.
Teria de 45 a 50 anos.
Por isso continuam irresitíveis.
Demi Moore(49), Monica Bellucci(47).
Catherine Zeta-Jones(44).
Cláudia Raia(46), Paula Toller(49).
Luíza Brunet(49) e Soledad Villamil(44).
Bom, e a mulherada na faixa dos 30.
Dos tempos atuais?
Ora, seriam adoráveis Lolitas!

Av. Paulista, 120 anos...meu amor!



Sim, ela nasceu pros ricos.
Sim, ela foi dos Barões do Café.
Sim, ela foi da burguesia comercial.
Sim, ela teve mansões que viraram prédios.
Sim, ela foi a sede dos Bancos.
Sim, ela foi das multinacionais.
Sim, ela virou funcional.
Sim, veio o MASP, o Conjunto Nacional e o Metrô.
Sim, sim, sim.
Mas ela é sobretudo do povo!
Dos torcedores de time.
Dos corredores de maratona.
Dos namorados, gays, punks e yuppies.
Dos manos, rockers, loucos e emos.
Dos paulistas, gringos e turistas.
Dos cines, teatros e restaurantes.
Das livrarias, cafés e bares.
Da pressa, da mescla...... e do mundo!
Adoro você, Avenida Paulista!
A materialidade do homem na cidade.
O seu sentido maísculo e absoluto:
Os diferentes na rua!

7 de dezembro de 2011

Injeções de melanina...

Disparado.
Meu maior trauma.
É ser confundido com gringo.
Me embriago de cultura brazuca.
Reflito obcecadamente sobre.
Derramo lágrimas sobre o samba.
Sobre as singularidades regionais.
Sobre diferenças de cidades.
Sobre nossa viralatice.
Sonoridades, sotaques, estilos.
Aí vem neguinho.
E me confunde com sueco.
Fico puto!
Há de se inventar.
Injeções de melanina!

marco de 2010

A democracia corinthiana e os torcedores de hoje...

Socrátes foi um gênio social!
Entendeu seu próprio tempo.
E abriu mão do seu poder.
Seduzindo outros jogadores.
A aderir à democracia.
Na prática, todos eram ouvidos.
Do craque ao roupeiro do time.
O que dava coesão ao grupo.
Nessa vanguarda política.
Curioso perceber hoje.
A pieguice do auto-marketing.
De grosso dos corinthianos.
Porque é aquela coisa.
Saem dando "carteiradas".
Como os mais apaixonados.
Dentre os torcedores de clubes.
Nada mais elitista e reacionário.
Além de risível!
Afinal, como se mede.
Quem torce mais que quem?

6 de dezembro de 2011

E dá pra entender?

Amo cultura caipira!
Viola, comida, camaradagem.
João do Vale, Tião Carreiro.
Rolando Boldrin, Renato Teixeira.
E engraçado saber.
Que o último ganhou mais grana.
Com a publicidade abaixo.
Do que com "Romaria".
Verdadeiro hino.
Do "concretismo" caipira!

5 de dezembro de 2011

A pele que habito...

Vi o novo do Almodóvar.
Impossível sair incólume!
Perturbador, no mínimo.
E o mais interessante.
É que mesmo sombrio.
O filme sobra em coloridos.
E a nova musa do cineasta.
É simplesmente divina!
Aliás, Elena Anaya.
Lembrou-me muito Irene Jacob.
Minha deusa eterna!

3 de dezembro de 2011

As gírias de Sampa....

Nada como revisitar.
Seu bairro de origem!
E melhor, perceber, rapidamente.
A capacidade formidável.
Da recriar a linguagem.
Ao chegar, ouvi:
"E aí...suave?"
A periferia Sampa.
Produz um falar criativo.
Super interessante.
E, muitas vezes
Inteligível pro eixo.
Paulista-Faria Lima-Berrini.

2 de dezembro de 2011

Sobre Meninas-meninos...



De rara sensibilidade.
Esse filme "Tomboy"!
Aliás, é tema pouco explorado.
A vida das "meninas-meninos".
E o mais inteligente da trama.
Foi ver a descoberta sexual.
De Laura, Machael(?).
Sob o pano de fundo.
De uma família harmoniosa.
E absolutamente plena.
De afeição dos pais.
O que aumenta minha convicção.
Que o sexo, equanto inclinação.
Se impõe nas pessoas!

E incrível que Zoé Héran.
De fato, é uma menina.
Aliás, que atuação brilhante!