31 de outubro de 2011

Os bens pós-morte....

Fim de mais um livro!
"O bandido que falava latim".
Dessa vez, até chorei.
Sim, chorar com um livro.
Isso é bem possível!
Há um trecho emocionante.
O drama da morte de Liminski.
Os muitos amigos no enterro.
E a hesitação emblemática.
Dos empregados do cemitário.
Que liberariam o corpo.
- Profissão?
- Poeta.
- Poeta é profissão?
- Poe escritor, então.
- Deixa bens?
- Sim, deixa muitos bens.
- Mas todos intangíveis!

O fato é que me seduz, muito mais.
Essa idéia de "vida pós morte".
Apenas a propagação edificante.
Do que se fez por aqui!

30 de outubro de 2011

Vesguinho esperto....



Terminei o "Tête-à-Tête".
Biografia do casal.
Simone de Beauvoir e Sartre.
Que livraço!
Além de escritores, filósofos.
Existencialistas, corajosos.
Eram profundamente inovadores.
Propuseram e viveram, à época.
Um relacionamento impraticável.
Na "caretice" de hoje.
E ela, além de intelectual.
Era bem gostosa (foto).
Que é uma mistura bombástica.
E rara!

28 de outubro de 2011

Mudança!

O mais importante.
É a mudança!
Se há mais medo da mudança.
Do que da desgraça.
Você não impede a desgraça.
A mudança, o movimento.
O dinamismo, a energia.
Só o que está morto não muda.

(Edson Marques)

Com a palavra: os espíritas.

Não sou religioso.
E adoro provocar, em especial.
A religão da classe alta.
Somos, finalmente.
7 bilhões de pessoas no Globo.
Mas já fomos 1 bilhão.
Se cada pessoa é uma alma.
A conta não fecha!
Há, por acaso.
Um “criador de almas”?
Uma fila no céu pra “reencarnar”?
Quando alguém nasce.
É alma velha, ou alma nova?
Fico curiosíssimo!
Como se operacionaliza esse troço?

25 de outubro de 2011

Desesperado!



Cai de cabeça.
Na biografia do Leminski.
Que desespero que dá!
O cara lutava bravamente.
Para viver de poesia.
Era uma postura ideológica.
Não planejava ter casa na praia.
O carro do ano, ir na “melhor micareta”.
O cara queria “brincar”, sim.
Com as coisas sérias da vida!
Experimentar, experimentar.
E experimentar.
E o que vivemos hoje?
Esse nada!
Todo mundo correndo.
Pra cuidar “de sua vidinha”.

O conhecimento “está no ar”....

“Quanto maior o repertório.
Menor o auditório”.
Resisto, e muito.
A essa idéia.
Cultura, conhecimento.
São fontes de propagação.
E não restritos a grupos!

O segredo de Tostines....

A busca pelo absoluto.
Sempre novidade.
Novidade sempre.
Trai a expectativa.
E produz a informação nula:
A redundância.
Se só vem novidade.
Não há novidade!

20 de outubro de 2011

A ironia das contradições...

Incríveis.
Nossas contradições!
Muitas de nossas "personas".
Existem, em detrimento de outras.
Ao mesmo tempo, mesclam-se.
Gestos intelectuais.
Grandiosos e arriscados.
Com a inépcia, covardia.
Ou mesmo qualquer afeto.
Consigo mesmo.
O lado "responsável da vida".
Pode ser uma velha obsessão.
Para muitos.
Como uma brutal violência.
Pra outros tantos.

19 de outubro de 2011

Pensar pode ser fatal...

Curioso isso!
Todo esse "tsunami".
Do entretenimento moderno:
Televisão, games, internet, festas.
Somado à falta de tempo.
Desviou as gerações atuais.
De uma visão mais edificante.
E humanista, da própria vida.
A gula por conhecimento.
Virou "código de barras".
Uma furiosa preguiça intelectual.
Tomou mentes e corpos.
Nenhum tema merece profundidade.
E tudo vai pra lá e pra cá.
No rítmo da velocidade estéril.
Da "era da informação".
E essa rota, ponto-de-fuga.
De uma alta cultura.
Não nos impede de gozar.
Sob à rajada frenética.
De bilhões de caracteres.
"Quem lê tanta notícia?"

18 de outubro de 2011

O olha de fora....

Curioso o olhar de fora.
Tenho para mim o seguinte.
Quem sai do Brasil.
Cai numa ambiguidade.
Ou só fala mal do país.
Desorganização, burocracia.
Atraso, desordem, pobreza, etc.
Fococa, falta de privacidade.
Ou morre de saudades.
Coxinha, pão de queijo, sol.
Sabonete Phebo, feijoada.
Fofoca, falta de privacidade.
Raramente.
Vejo o meio-termo.

out 2010

17 de outubro de 2011

Porque é preciso de música 7......

Essa música.
É fabulosamente contagiante.
Vontade de correr por aí.
Pelas bodeguitas da América Latina!

15 de outubro de 2011

Sobre lugares alternativos...



Tirando em Sampa.
O que não é Mainstream.
É alternativo!
Acho engraçado isso.
Em todas outras capitais.
Desse Brasil, Baronil.
Se você não frequenta.
Os "lugares óbvios".
Vai aos "alternativos".
Fico pensando.
O que seria alternativo.
Em São Pulo?
Aliás, alternativo a que?

14 de outubro de 2011

Filhos da ocitocina....



Não sou determinista.
Mas adoro bio-explicações.
Curiosa a "cronologia química".
Da fissura por alguém.
Primeiro a adrenalina.
Dá o tom da atração.
Fixa-se "na eleita".
Mas a coisa só anda.
Se liberar dopamina.
Química do bem-estar.
E do "víciado" em alguém.
Compromisso, casamentos, filhos?
Só com altas liberações.
De Ocitocina.
Hormônio dos laçoes afetivos.
O mesmo que liga mãe ao bebê.
(Dr. Freud ia gostar dessa!)
Quanto mais sexo, mais ocitocina.
E mais liga-se ao outro.
Dizem os neurocientistas.
Que é essa "titia".
É a grande responsável.
Em manter unidos.
Pais, mães e bebês.
Será?
Vai ocitocina aí?

11 de outubro de 2011

Viajar sem passaporte...



Viajar sem passaporte.
Essa é a grande meta!
"Longe das cercas embandeiradas.
Que separam quintais".
Decididamente.
Todas fronteiras.
São artificiais.
Sobra aos inteligentes.
Rompê-las!

10 de outubro de 2011

A morte e o vinho...



Curioso isso!
Até o vinho.
Tem medo da morte.
Por isso que ele luta.
Foge e não combina.
Com o vinagre!

9 de outubro de 2011

O cheiro do vinho....



Apreciar vinhos.
É boa terapia.
O lance do olfato.
É primordial.
Começa-se perceber.
Notas de frutas.
Notas selvagens.
Sutilezas aromáticas.
O que eu mais gosto.
É o de "mato molhado".
Lembra infância.
Lembra "correr na chuva".

8 de outubro de 2011

Sobre fotos antigas....

Fotos antigas.
Cavam buracos.
Distâncias de tempo.
Em hiatos do eu.
Não a velhice em si.
Tão infiel à memória.
Mas a busca falha.
A imprescisão sentida.
De buscar o que se era.
O que se foi.

7 de outubro de 2011

Tem coisa melhor?



Tem coisa melhor.
Que um copo de cerveja.
Gelada, gelada, gelada.
Numa sexta-feira.
Depois de uma semana.
Que tudo deu certo?

6 de outubro de 2011

Os reis da novidade.....

Jobs se foi!
Como poucos.
Foi iconoclasta!
Um daqueles.
Que mudaram o leme.
Do curso da história.
Figuras dessas.
Têm três coisas:
Percebem.
O não percebido.
Aceitam.
O que ainda não existe.
E, sobretudo.
Seduzim os outros.
Pra viverem "o novo".

O melhor da mulher...



O momento mais esplêndido.
Pra contemplar.
A beleza feminina.
É o frescor depois do banho.
De um dia de praia e mar!
Porque ali se junta.
No ângulo calmo.
Da adoração visual.
O colorido quente.
E a ardência bronze.
Da pele viva.
Morrendo de sede!
A imagem-mulher.
Por assim, dizer.
Explode em licores.
Signos iluminados.
E cabelos molhados.
Exalando, desimpedidos.
O aroma do fervor.
De corpos que se merecem!

(fev/2010)

5 de outubro de 2011

A vida é assim...



A vida é assim.
Totalmente exata.
Em seus movimentos.
Portas se abrem.
Portas se fecham.
Na mais absurda sincronia.
De nossas renúncias!

2 de outubro de 2011

Somos culpados!

É fácil notar!
Nosso comportamento moral.
É regulado pela culpa.
É um traço curioso da modernidade.
O individualismo, de um lado.
E a crença em “muletas religiosas”.
Que julgam, punem ou recompensam.
Do outro.
Mas "o bem" e "o mal".
Podem ser apenas.
Rótulos em si mesmos.
Porque pouco reflexivos.
E ter a "culpa" como norte moral.
Gera um pequeno problema.
Torna o arrependimento.
Um dispositivo permissivo.
Peco, culpo-me....aí peço perdão.
E me liberto para “pecar” de novo.
Faz sentido essa tortura?