31 de julho de 2012

Overdose de ostracismo!

Semana de documentários.
Sobre mestres da MPB!
Hoje foi sobre Wilson Simonal.
Que história linda.
Que história dura!
O brasileiro não tem memória.
Ícones de nossa cultura.
Morrem de overdose de ostracismo!

Auto-promoções 9.....

Matéria do Valor Econômico de hoje.
Sobre economia verde.
Meu nominho tá ali!

Sobre carros e pessoas...

Curioso isso!
É só escutar.
Um "barulhinho estranho" no carro.
E toca ir no mecânico.
Pra não ficar na mão!
Agora quando o "barulhinho"'.
É no interior da gente.
Nos furtamos, sem tempo.
De parar pra refletir!

30 de julho de 2012

Sobre rejuvenescer....

Revi o documentário do Vinícius.
Adoro tudo dele!
Fez como poeta e músico.
Mais ao Brasil.
Do que todos milicos juntos!
Aliás, curioso isso.
Vinícius foi daqueles raros sujeitos.
Que foi rejuvenescendo.
Ao envelhecer!
Foi largando todos protocolos.
E as amarras da vida adulta.
Pra viver de paixões!
Foi do sério.
E tímido diplomata jovem.
Ao boêmio anárquico apaixonado.
E ao hippie hedonista.
E ancião de Itapuã.
Vida vivida....bem vivida!

27 de julho de 2012

A favor da Pirataria !!

Na Suécia.
Há o Piratpartiet.
Um Partido Político.
Que defende a Pirataria.
Total e irrestrita!
Argumentam, sabiamente.
Que esse papo.
De propriedade intelectual.
É uma bobagem!
Não há donos de "idéias".
O conhecimento, as descobertas.
As ciências, as artes.
São contruções coletivas.
De socialização do saber.
Achei fantástico!
Porque se golpeia.
A idéia de originalidade.
Coisa subjetiva e vaga.
Que se emprega.
À mercantilização de tudo.
Eu apoio!

26 de julho de 2012

A dor elegante...

Uma época aí.
Depressão virou moda!
O lance era aderir.
Por motivo bobo que fosse.
A Prozacs e afins.
Pra combater o “vazio da alma”.
E o “lado orgânico” da dor!
Provou-se, adiante.
Que era uma onda.
Pra enriquecer.
A indústria farmacêutica.
Em detrimento de caminho mais árduo:
O saber psicanalítico.
Filosófico e humano.
Aliás, como abrir mão do luto?
Dos momentos barra-pesada?
Do auto-confronto?
Seríamos o que somos.
Se só houvesse alegria?

24 de julho de 2012

As sutilezas do vício...

Como as traições.
Os vícios são mais sutis!
Chocolate, cocaína.
Micaretas, bebida, novelas.
São superlativos.
Da ditadura do gozo.
Cujos prazeres.
Foram padronizados.
E normatizados!
Vícios, de fato.
São mais perenes.
São traumas amalgamados.
São jeitos de corpo.
Renúncias duras.
Opiniões inflexíveis.
São auto-enganos.
Personas rígidas.
Que duram, duram.
E vivem por eras.
Dentro da gente!

23 de julho de 2012

O batalhão de indignados....

E de repente.
Todo mundo se indigna!
Acusa-se ali, protesta-se aqui.
E todo mundo põe a "boca no trombone".
Formando o batalhão dos indignados!
O mais curioso.
Que isso é um claro sintoma.
Da falta do que dizer!
Sempre será mais fácil.
Atacar, se indignar.
Do que buscar entender!

22 de julho de 2012

Sobre revisitações....














Mesmo aquela música.
Tantas vezes escutada.
Deve ser re-ouvida.
Aparecerá, certamente.
Outros timbres.
Fraseados novos.
Chiados subliminares.
E sonoridades escondidas!
Assim é a vida vivida.
Que em revisitações.
Explode de surpresas!

18 de julho de 2012

O melhor presente de São Paulo....











Sampa te dá um presente:
O anonimato!
Ninguém te conhece.
Ninguém te enxerga.
E pessoas somem por aí!
Um bom exemplo é o cara.
Que gamou numa mina linda.
Numa conversa de metrô.
Chegou a estação dela.
E ela sumiu na multidão!
Ele espalhou outdoores.
Foi em programa de TV.
E fez um livro sobre o caso.
Procurou-a, procurou-a.
E nunca a mais viu!
Sampa te dá um presente:
O inapelável anonimato!

Essa tal felicidade....

Papo de "felicidade" cansa.
Quase sempre me dá sono!
Felicidade é uma idéia velha.
Felicidade é uma idéia errada.
Significa adotar uma monotonia.
E, sobbretudo.
Uma redução geral.
Da intensidade da vida.
Felicidade é.
Necessariamente descontínua!

16 de julho de 2012

Porque é preciso ter lado.....

Até que ponto.
Somos nossas circunstâncias?
Até que ponto.
As opiniões bailam.
À luz das conveniências?
Qual o limite.
Das concessões, das tolerâncias?
Das pequenas maledicências?
Dos pequenos desvios?
O bom senso é ser flexível?
A ética é uma geleia?
Sei não, se não.
O fato é que.
Grandes homens, sempre tiveram "lado".
Errados ou certos.
Mas sempre..... com "lado"!

O zunir do tempo...

De repente.
Passou meio ano.
Outro dia era janeiro.
Agora, o inverno.
A metado do ano.
A metade da lua.
Mas quando mesmo.
O tempo passou a correr?
Onde estão mesmo.
Aquelas tardes de tédio.
O relógio parado.
A agonia de nada andar?

10 de julho de 2012

Na média, todos iguais....

Fora os muito azarados.
E os muito sortudos.
Eventos bons e ruins.
Acontecem, em doses parecidas.
Pra todos.
Aí vem a grande sacada.
"Interpretá-los".
É a chave de tudo!
Daí deriva a diferença.
De se atirar do prédio.
Ou seguir em frente!

9 de julho de 2012

O melhor da mulher....













O momento mais esplêndido.
Pra contemplar.
A beleza feminina.
É o frescor depois do banho.
De um dia de praia e mar!
Porque ali se junta.
No ângulo calmo.
Da adoração visual.
O colorido quente.
E a ardência bronze.
Da pele viva.
Morrendo de sede!
A imagem-mulher.
Por assim, dizer.
Explode em licores.
Signos iluminados.
E cabelos molhados.
Exalando, desimpedidos.
O aroma do fervor.
De corpos que se merecem!

(fev/2010)

4 de julho de 2012

Sobre nós brasileiros...

Generalizações são burras!
Mas vou me permitir uma:
Da mesma forma.
Que temos o DNA.
De não respeitar regras.
Ultrapassamos, como ninguém.
A fronteira do outro!
Difícil encontrar tamanha amabilidade.
Entre desconhecidos.
Como aqui!

Conclusões sobre o ócio...

É na quarta semana de férias.
Que cai a ficha.
Que a vida é linda!
E o trabalho.
Além de alienante.
E apenas mais uma coisa.
Dentre tantas outras!

3 de julho de 2012

A "miojização" de tudo...

Acho engraçado.
A ansiedade da nova geração!
Talvez esse estilo de vida.
Tão "conectado" e "desplugado".
Deseduque calmas necessárias.
A instantaneidade de tudo.
Agride o conceito.
Que nada vida, existem processos!
É como um bom prato.
É preciso tempo, cozimento.
Não essa "miojização" de tudo!