27 de novembro de 2012

Sobre tardes de tédio......

Conclusão do dia:
Talvez seja necessário.
Recuperar na lembrança.
As tardes de tédio da infância!
Pra entender nosso psiquismo.
Confrontado, em comparações.
Do ócio do estado de estar.
Entregue a si mesmo.
A total nulidade criativa.
De viver em agendas lotadas!

14 de novembro de 2012

Força e fraqueza no bicho-homem....

Sabemos bem.
Que no bicho-homem.
Faz morada o belo.
Mas o sinuoso também!
Da mesma forma.
A força (vitalidade).
E a fraqueza (falta de ímpeto).
Como ensinou o titio Nietzsche!
Aliás, importante notar.
Que a força é mais perigosa.
Te coloca para empreender.
Testar, mudar e, sobretudo.
Arriscar!
A fraqueza é cômoda.
Arriscamos muito pouco.
Tocamos a "bola de lado".
E ficamos com o prêmio narcísico.
De enxergamos um "bom potencial".
Em nós, pra isso ou pra aquilo.
Mas que nunca é praticado!

11 de novembro de 2012

9 de novembro de 2012

A fraqueza dos ressentidos....

Tá aí um sentimento ruim: o ressentimento.
Porque nele, subliminarmente.
Esconde-se uma dependência.
Ou dos pais, de deus, do estado, etc.  
Explicando melhor:
A revolta é legítima e potente.
É a vitalidade de se contrariar.
De ir a luta, ganhar ou perder!
O ressentido não se vê como derrotado.
E sim como vítima!
E se livra da responsabilidade.
Na cômoda posição de eterno injustiçado.
Que no fundo, no fundo.
É uma narcísica e viciante covardia!

5 de novembro de 2012

Sobre altos e baixos da vida....

Deveria ser obrigatório.
Ver com calma.
Os altos e baixos da vida!
Aliás, obrigatório mesmo.
É não tê-los como pontos finais!
Eventuais derrapadas.
E conquistas pontuais.
Fazem parte da mesma família:
O "meio", o "curso".
O fascinante "indo" da vida!

No fundo é desconexão....












Vira e mexe.
O lado crítico fala mais alto.
E desancamos tudo mesmo!
Esse lance das tecnologias, por exemplo.
Parece um novo crack!
O vício de se conectar a tudo.
E se desconectar de si.
Já que inexistem reflexões!
É tudo muito lúdico:
Milhões de abas e janelas.
Cores, fotos e telas.
Mas o resultante é que.
Mesmo 100% conectados.
Escondemo-nos uns dos outros!
Bauman acertou em cheio:
Nas redes sociais, você se conecta.
E desconecta, com deliciosa facilidade.
E às favas com os vínculos!
(Tão importantes na vida).