5 de janeiro de 2011

Humano, demasiado humano...

Cada vez mais.
Me convenço.
Que o ponto mais alto.
Mais alto mesmo.
Do espírito humano.
É a espontaneidade.
Imbatível...
Essa qualidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário