18 de outubro de 2010

Quando ergue o pano...



Já disse por aqui.
Não sou religioso.
Mas se fosse.
Seria do candomblé.
Adoro o culto aos orixás.
Os batuques dos terreiros.
A mitologia Yoruba.
Os bons fluídos.
E a linda resistência.
Afinal.
A Igreja Católica proibiu.
E Governos "caçavam" adeptos.
Nesse fim de semana.
Mergulhei nos "Afrosambas".
Do Vinícius. E Baden Powell.
É quase um transe.
Canto de Xangô é lindo.
De chorar!
Enfim.
Confesso que ainda hoje.
Me pego cantaralando.
E com bastante crença.
Versos Peruchianos:
"Sr. Exú, faça o favor.
Nos abra os caminhos este ano!
Abença Nanã. Salve os Iberês.
Em meu Jacutá.
Faça entrar nova manhã."

2 comentários:

  1. Gosto do canto de xangô, mas adoro cantar canto de ossanha bem alto, de preferência sozinha no carro...

    "o homem que diz 'dou' não dá. Porque quem dá mesmo não diz"

    Sempre que escuto essa música tenho vontade de colocar no "repeat" infinito.

    ResponderExcluir
  2. Clarissinha...concordo.
    Canto de Ossanha é demais.
    Vc, hein...sempre surpreende, positivamente!

    ResponderExcluir