21 de dezembro de 2010

Quando não sou eu, é Nara Leão...



Amo Nara Leão.
Aprendi com minha mãe.
Menina tímida.
Arrastada à bossa.
Por Ronaldo Boscoli.
Guru da "thurminha" de Ipanema.
Que a chifrou, trocando-a.
Pela "rechonchuda" Maysa.
Sorte do destino.
Que Carlos Lyra.
Então diretor do CPC.
Desviou-lhe a rota:
"Náo dá para só tocar bossa
nova para burguezada".
Aí ela foi pro morro.
E juntou-se a Zé Ketti.
Neloson Cavaquinho.
E nada mais que Cartola.

"Acender a vela.
Já é profissão.
Quando não tem samba.
É desilusão."

Nenhum comentário:

Postar um comentário