9 de dezembro de 2010

Mentes que se vão....

Outro dia.
Me dei conta.
Faz uns 15 anos.
Que meu primeiro chefe.
Empacotou.
O cara era foda.
PHD em tudo.
Sacava.
Desde a alta física.
A sutilezas.
Da pscicanálise.
E o melhor:
Era alcóolatra.
Também pudera.
Excesso de QI.
Atrapalhava.
O mundo parecia burro.
Aí só doses.
Cavalares de wodka.
Para aliviar a solidão.
É o que eu digo.
Os personagens.
Mais interessantes.
São ao mesmo tempo.
Complexos.
E auto-destrutivos.
Enfim.
Mas o que passou nesses 15 anos:
Internet.
Projeto Genona.
Prozac, Viagra.
Pré-sal.
Joseph Ratzinger.
Etc.
E aquela mente?
Onde esteve?
Onde está?
Captou tudo isso?
Sei não...
Há nexo?
Imaginar que esse cara.
Ficou espiando.
Tudo isso....do céu!

2 comentários:

  1. Haja álcool pra aguentar tamanha indiferença frente à sapiência e sensibilidade alheias. Excesso de QI, excesso de amor,excesso de qualquer coisa chama por ele como um pedido de salvação. De pensar que Sartre se enfiava no Corydrane (em excesso), aspirina e whisky. Drogas para anestesiar dores causadas à alma pelas verdadeiras drogas do mundo. Fabiana - amiga da Van Gogh Bibi ;)

    ResponderExcluir