1 de setembro de 2010

Sobre culpas..

Voltei. Com uma provocação:
incrível como nosso comportamento
moral é regulado pela culpa.
É um traço curioso da modernidade.
O individualismo, de um lado.
E a crença em “muletas” transcendentais
que julgam, punem ou recompensam.
Do outro.
Recomendo algo mais libertador:
a moral nietzschiana.
"O bem", "o mal", são apenas
rótulo em si mesmos.
Significam nada ou muito pouco.
A política funda a moral, e não o contrário.
A culpa é o cerne da cultura judaico-cristã.
Com um problema.
Instituiu o arrependimento como um
dispositivo permissivo.
Vira uma roleta engraçadinha:
Peco. Culpo-me. Aí peço perdão...
E me liberto para “pecar” de novo.
Faz sentido essa tortura?

8 comentários:

  1. Provocador?!Ah se é!!!Penso q sempre houve limites sociais p/ o q se pode fazer,os tabus + elementares datam de séculos,"transgredir" 1 ou outro desses limites é desmedidamente sedutor; pessoas anseiam por explorar seus lados
    obscuros,e qd o fazem...surge a tal "moral-culpa".Os sentimentos de pecado,culpa,arrependimento e perdão formam um poderoso vínculo recidivante e tolerante...;lamentável.Ótimo texto Conti.

    ResponderExcluir
  2. Nenhum sentido! E assim nos esquivamos dos princípios morais.

    ResponderExcluir
  3. Que bom! Ao contrário do que me disse, não parece que você está ficando esgotado de assunto.

    ResponderExcluir
  4. Acho que todo mundo aqui concorda. Abaixo a moralidade chinfrim! rs.

    ResponderExcluir
  5. Mas se eu peco e não me culpo, qual é a graça? Metade do prazer do que é proibido reside aí. No medo de não haver perdão e, em se havendo, na possibilidade de reincidir. É como comer doce no meio da dieta. Concordo com Dágila: transgredir é desmedidamente sedutor. Sem transgressão, prevalece a tradição, a retidão e o engessamento. E sem culpa, prevalece a frieza, o cálculo e a frivolidade. Recomendo o uso da culpa sim, com moderação.

    ResponderExcluir
  6. rs. Moderação é importante, sempre. Mas sério. Tenho para mim que religiões geralmente fazem mal para nosso corpo, fonte de prazer, experiências, e, fundamentalmente auto-conhecimento. Se qualquer exploração mínima acarreta em culpa, esse processo fica limitado.

    ResponderExcluir
  7. As religiões são necessárias. Mas isso é papo pra um outro dia. Vi que está de aniversário. Parabéns, véio!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Barbarita! Meu aniversário é no domingo. Dia 12 de setembro.

    ResponderExcluir